4min. de leitura

Ninguém pode saber mais do outro do que ele próprio e errar faz parte do processo

Ninguém pode saber mais do outro do que ele próprio e errar faz parte do processo, então que cada um tenha o direito de fazer suas opções. 

Tudo nesse mundo é relativo, mas alguns comportamentos seguem padrões tão antigos, que deveriam ter uma punição restritiva. Por exemplo, quem usa as palavras para agredir ou denegrir a imagem de alguém deveria ser impedido de falar até que aprendesse a escutar, não só aos outros, mas à voz de sua própria consciência.


Ninguém pode saber mais do outro do que ele próprio e errar faz parte do processo, então que cada um tenha o direito de fazer suas opções e carregar o fardo de seus erros ou a glória de seus acertos, sem ter que aguentar um fiscal da vida alheia, sempre de plantão para julgar ou menosprezar atitudes, causas ou consequências que pertencem a outrem.

Sabe aquela pessoa que se faz de amiga, mas que, na verdade, nem procura entender o que se passa dentro de você? Sabe quando alguém veste a máscara de cidadão bem-intencionado, só para ter uma justificativa quando resolve criticar ou pisar em nosso íntimo?

Consegue entender que estado de espírito move o indivíduo que se julga melhor e mais sábio que você e que faz questão de dizer?

Eu não. Não consigo entender ganância, egocentrismo, arrogância, baldes de água fria, ressentimento guardado por muito tempo, desarmonia, indiferença, a lista é imensa! Para essas pessoas atrasadas no seu desenvolvimento emocional, às vezes, surge a necessidade de uma resposta à altura da sua falta de respeito com o próximo, uma resposta forte que as façam calar, pensar em seu comportamento e, talvez, mudar.


Minha resposta para qualquer pessoa mencionada acima seria essa:

Não venha me dizer o que devo ou não fazer, o que devo ou não falar, no que não devo me exceder e o que devo evitar. Não devo nada, minha única dívida é com minha consciência e mesmo assim mínima, porque não me cobro muito e não transformo culpa em juros.


Não pense que sabe o que é melhor para mim e para todos os que convivem comigo, isso não é papel de amigo, é exigência e ninguém me exige nada, porque minha liberdade é sagrada.

Pegue todos os seus conceitos, pré ou pós e use somente para você, nunca para nós.

Eu sei de minha vida, você sabe da sua, então, que os limites do respeito fiquem sempre assim definidos, divididos, já que no fundo somos seres desunidos, perdidos, tolos, às tontas, em nosso puro e profundo egoísmo, sem chances de remissão.


Direitos autorais da imagem de capa: Steven  Arenas / Pexels





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.