Notícias

Noiva viraliza na internet ao se recusar a fazer voto de casamento: ‘Submissa, não!’

Design sem nome 85

A analista de Recursos Humanos Inaiã Dias, de 31 anos, causou alvoroço na internet no último dia 16 de outubro, em São Paulo.



Ao fazer o juramento de amor eterno no altar de um buffet da Zona Sul, e se negar a repetir as palavras de um cerimonialista que pedia que ela fosse submissa ao marido.

No vídeo postado nas redes sociais pelos irmãos de Inaiã, a analista aparece contraindo os votos de matrimônio, e o celebrante pede que ela repita as palavras do juramento: “Prometo te amar, cuidar de você, te respeitar e ser submissa…”

Ela se surpreende e responde ao mestre de cerimônia: “Ser submissa, não!”, arrancando risos e aplausos dos convidados (veja vídeo).


A reação de Inaiã lembra a decisão da princesa Diana que, em 1981, em seu casamento com o príncipe Charles em Londres, quebrou uma tradição ao não pronunciar a palavra “obedecer” em seus votos. As esposas de seus filhos, Kate Middleton e Meghan Markle, seguiram os passos de Diana.

Em inglês, os votos tradicionais para a mulher costumam citar “love, cherish and obey” (amar, cuidar e obedecer, em português). Diana, Kate e Meghan, no entanto, omitiram a palavra “obedecer”.

Mulher independente


Design sem nome 86

Direitos autorais: reprodução Instagram

Na volta da lua de mel com o marido Roney Barros, de 40 anos, em Trancoso, na Bahia, Inaiã disse ao g1 que não esperava a repercussão do vídeo na internet e que faria tudo de novo se fosse necessário.

“Acho que a palavra submissa, do jeito que eu conheço e está no dicionário, não deveria mais ser usada nos dias de hoje, quando a mulher trabalha, é independente e busca no casamento uma parceria. Eu tinha visto várias cerimônias das casamento, mas nunca tinha ouvido nada semelhante. Então, quando eu ouvi no meu casamento, tomei um choque e não segurei a espontaneidade e falei…”, afirmou a moça.

“No dia seguinte eu vi a repercussão e fiquei igualmente surpresa. Mas não guardei mágoas nem nada. Foi apenas um episódio engraçado que não ofuscou a festa, que foi tão inesquecível pra mim e pro meu marido”, afirmou a analista.


Design sem nome 88

Direitos autorais: reprodução Instagram

Escolha do celebrante

Católica praticante, Inaiã conta que queria se casar na igreja, mas mudou os planos por causa da pandemia, resolvendo fazer a cerimônia e a festa no buffet para evitar deslocamento dos convidados e reduzir os custos.

O casamento na paróquia que frequenta, na Chácara Flora, estava marcado para abril do ano passado, auge da primeira onda da pandemia do coronavírus, e as aglomerações foram proibidas pelo governo de São Paulo.


Quanto o estado voltou a permitir as festas, Inaiã não conseguiu conciliar a data da igreja com a do buffet, que iria cobrar uma multa se ela mudasse mais uma vez o dia do evento, acordado para 16 de outubro deste ano.

“Tentei achar um padre que celebrasse fora da igreja, mas não consegui. E uma amiga indicou esse cerimonialista. Nós almoçamos com ele e contamos a nossa história. E nos simpatizamos com ele, por ser jovem e ter uma linguagem bem popular. Ele era da igreja de uma amiga, mas não era pastor. E para nós estava tudo bem”, afirmou.

Design sem nome 89

Direitos autorais: reprodução Instagram

Apesar da saia-justa, ela afirma que a cerimônia prosseguiu sem mais problemas. Ela trocou alianças com o parceiro de 13 anos de relacionamento e caiu na pista para comemorar o enlace junto com os parentes e amigos depois de mais de uma hora de sessão de fotos.


“Depois da celebração, o cerimonialista explicou que ele quis dizer que a submissão era uma caminhada junto um com o outro. Eu entendi o ponto de vista dele, mas não concordei inteiramente. Acho que de fato precisa ter respeito, amor e parceria, mas os tempos são outros e certas palavras estão fora do tempo”, explicou.

“Respeito e companheirismo tem que existir, mas ninguém manda em ninguém. Temos direitos iguais. Mas nada disso abalou a festa. Minha família é muito festeira e a comemoração foi incrível e inesquecível. Nós dançamos e bebemos além da hora permitida, e tivemos que contratar uma hora adicional do buffet, porque ninguém queria ir embora. Foi tudo além do que a gente tinha planejado”, afirmou Inaiã.

Design sem nome

Direitos autorais: reprodução Instagram

2º casamento


O casal ainda pretende celebrar a união na Igreja Católica e só espera o padre arrumar uma data para que ela suba ao altar para dizer sim ao esposo.

“Talvez a gente consiga fazer a cerimônia junto com o batizado do meu sobrinho. Mas vai ser algo menor e sem festa de arromba. Mas se a Ana Maria Braga ou a Fátima Bernardes quiserem nos patrocinar, a gente faz a festa tudo de novo, exatamente igual à primeira”, brinca a noiva.

Design sem nome 1

Direitos autorais: reprodução Instagram

Após o episódio, a analista de RH diz que recebeu muitas mensagens de apoio de mulheres através das redes sociais e diz que achou a solidariedade feminina muito importante, apesar de não se considerar feminista.


“A gente sabe que as conquistas femininas ainda estão se consolidando e muitos episódios ruins contra mulheres acontecem ainda. Não sou feminista e não faço parte de nenhum movimento. Nem pretendo viver de fama e usar esse episódio para conquistar nada. Quero viver o que toda mulher livre quer, que é ter sua profissão, sua família e suas escolhas respeitadas, além de respeitar quem quer que seja”, declarou.

Mãe de Zé Vaqueiro diz que não foi convidada para casamento do filho

Artigo Anterior

Pastor que prometeu ressuscitar em 3 dias é enterrado em GO

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.