Notícias

Número de mulheres mortas na tragédia de Petrópolis é quase o dobro do óbito de homens

Numero de mulheres mortas na tragedia de Petropolis e quase o dobro do obito de homens 1

Até o início da tarde desta sexta-feira (18), a Polícia Civil confirmou 136 mortos em decorrência da tragédia em Petrópolis, após a forte chuva no município da Região Serrana do Rio, na última terça-feira (15).

Entre as vítimas fatais, dos corpos estão no Instituto Médico-Legal (IML) da cidade, segundo a Polícia Civil. Desses, 81 são do sexo feminino, quase ao dobro, quando comparado aos homens, que somam 50. Vinte e dois são de menores de idade, crianças ou adolescentes. Até o momento, 72 vítimas que perderam a vida foram identifcadas.

Até o início da tarde desta sexta-feira, 213 pessoas seguem desaparecidas, das quais 116 são do sexo feminino e 102 do masculino, segundo registros feitos pela força-tarefa da Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA). Com histórias de vida soterradas em meio a escombros e lama, reunimos algumas das histórias de mulheres que morreram em meio à tragédia.

Maria das Graças de Paiva Destro, a Dona Fia, 73 anos
Conhecida como Dona Fia, a idosa fazia parte da diretoria do Projeto do Morro, que atende cerca de 500 crianças. Ela morava ao lado da sede da iniciativa, no bairro Alto da Serra, na região do Morro da Oficina, palco de um deslizamento que arrastou casas e vítimas. O imóvel de quatro andares sumiu, e Maria das Graças, segundo parentes, foi soterrada pelos escombros.

maria das gracas petropolis

Maria das Graças de Paiva Destro, a Dona Fia, 73 anos Foto: Reprodução

Tânia Leite Carvalho, 55 anos, e Helena, de 1 ano e 11 meses
Madrinha de Duda, Tânia morreu no sofá, aninhando a jovem e a neta Helena — que, tal qual Micael, estava prestes a completar 2 anos, e já tinha festinha de aniversário marcada. Mãe da menina, Giselli Carvalho contou que, até realizar o sonho de ser mãe, passou nove anos tentando engravidar.” Às vezes acho que é um pesadelo, que vou acordar e ela vai estar aqui”, desabafou, muito emocionada.

tania petropolis

Tânia Leite Carvalho, de 55 anos, e a netinha Helena Foto: Reprodução

Cecilia Lima Fiorese, de 40 anos
Uma mesma tragédia vivida com 50 anos de diferença na família de Nadir Eler de Lima, de 55 anos. Nesta semana ela perdeu a filha Cecilia Lima Fiorese, de 40 anos, que foi soterrada após o desabamento do consultório em que estava. Foi da mesma maneira que Nadir perdeu a mãe, Cecilia Eler de Lima, 50 anos antes, quando a casa da família também foi atingida por um deslizamento em Petrópolis.

whatsapp image 2022 02 16 at 13.16.46.jpeg

Cecília morreu na tragédia de Petrópolis e deixa um filho de 6 anos Foto: Reprodução das redes sociais

Cecilia tinha vontade de deixar a cidade, onde cresceu e o qual marcou a história da família. Os planos foram deixados de lado após o nascimento do filho, há 6 anos, apesar do medo das chuvas no município. Segundo uma testemunha, ela chegou a se comunicar após o desabamento, afirmando que estava presa pela perna, mas não foi resgatada a tempo.

Maria Eduarda Carminate de Carvalho, de 17 anos
A estudante do ensino médio Maria Eduarda Carminate de Carvalho, de 17 anos, estava na casa da comadre para visitar a afilhada de dois anos. Na noite da última terça-feira, o imóvel no Morro da Oficina veio abaixo e todas, que estavam abraçadas, morreram soterradas. A jovem tinha o sonho de ser modelo e começava a alcançar a fama nas redes sociais. Atualmente, ela tinha quase 17 mil seguidores. Nos últimos meses ela chegou a ser chamada para fazer fotos para campanhas publicitárias de sua cidade, Juiz de Fora. Filha mais velha de dois irmãos, a jovem era apaixonada por Petrópolis.

maria eduarda

Uma das vítimas da tragédia das chuvas em Petrópolis, Maria Eduarda sonhava com a carreira de modelo Foto: Redes sociais / Reprodução

Débora Lichstenger Moreira, 22 anos, com os filhos Gustavo, de 5, e Heloise, de 2
Há vários casos de mais de um morto da mesma família, principalmente quando há o desabamento sobre as casas. Débora Lichstenger Moreira, de 22, e os filhos Gustavo Lichstenger Rodrigues, de 5, e Heloise Lichstenger Rodrigues, de 2, moravam no bairro Duarte da Silveira. Os três estavam no mesmo cômodo quando o imóvel caiu. Os vizinhos fizeram o resgate, segundo contou o estofador Diego Lichstenger Moreira, irmão de Débora e tio das crianças.

0 %