O amigo-borboleta:

8min. de leitura

Reduzi meu convívio para poucas pessoas. Afinal, de que adianta ter uma centena de “amigos”, mas não se sentir feliz, respeitado, amado e valorizado? Amigos de verdade fazem isso.

Você já descobriu que tem gente falando mal de você pelas costas? Quem nunca, não é mesmo? As pessoas fazem muito isso. Julgam, criticam, dizem o que deveríamos ter dito e feito. Mas sempre por trás. Na sua frente, sorriem e dizem que é tudo lindo.



Uma época eu me preocupava com isso. Ficava triste quando descobria que estavam criticando minhas atitudes. Tentava mostrar que eu não era assim, que não era bem assim… Enfim, fazia um desgaste emocional comigo mesma que não ajudava em nada. As pessoas mantinham suas opiniões e eu ficava decepcionada.

De uns anos para cá eu mudei muito. As pessoas não pararam de me julgar e criticar pelas costas, mas eu mudei minha atitude em relação a isso. E saber de fofocas não me causa mais dor alguma. Eu até rio delas. Sério, algumas são bem divertidas…

Vou compartilhar com você algumas dicas que me levaram a esse amadurecimento. São coisas simples, mas que fizeram toda a diferença para mim. E, se ajudar a você de alguma maneira, eu ficarei muito feliz. Então, lá vai!

Primeiro: a opinião das pessoas sobre você e as coisas que você faz ou deixa de fazer é simplesmente a opinião delas. Você não é o que elas disseram só porque elas disseram. Não, você não está fazendo tudo errado na criação do seu filho. Você está dando o seu melhor. E se o seu melhor é diferente da opinião delas, paciência. Você também não é frio, chato, ranzinza, mal educado, etc… Isso é o que eles dizem. Não tome para você. Deixe as opiniões deles onde devem ficar: com os donos delas. Não tome nenhum julgamento negativo para você.


Falando nisso, você já elogiou uma pessoa? Eu faço muito isso. Quem vive comigo sabe. Estou sempre dizendo o quanto aquela blusa é linda, como aquele penteado combinou com o rosto ou o quanto o brinco/colar/anel que a pessoa está usando fica bem nela. E sabe o que eu mais percebo na minha mania de elogios? Que as pessoas dificilmente os aceitam. Dizem coisas como: “ah, mas já é tão velha essa blusa”… Ou, “nem gosto desse brinco…”. Enfim, a grande maioria das pessoas justifica o meu elogio, como se não o merecesse. Eu tinha essa mania também… Ficava com vergonha e fazia algum comentário desmerecendo o elogio. Certa vez minha irmã me despertou para isso. Ela disse: “se alguém te elogiar, aceite.” Faz mais de dez anos que ela disse isso e eu absorvi de tal maneira que nunca mais rejeitei elogio nenhum. E me tornei uma elogiadora de plantão. Tenho o seguinte pensamento: para que falar mal quando posso falar bem?

Aceite também os elogios que receber durante a vida. Mas não aceite as coisas negativas. Essas sim, você deve rejeitar. Ignore-as e devolva-as elegantemente aos que a proferiram. Sem raiva, sem revolta. Porque se a crítica te revoltar, ela atingiu seu objetivo. Então, quando você conseguir fazer isso, certamente não sofrerá mais com a opinião alheia, que, como a palavra diz, é alheia… Não te pertence.

Outra coisa que me ajudou no meu processo de amadurecimento interior, além de não tomar para mim as coisas negativas que são proferidas, é filtrar muito bem meus relacionamentos. Como assim? Simples, nem todo mundo é meu amigo.

Eu tenho total e plena certeza disso. Muitas pessoas convivem comigo porque precisam. Eu aceito isso com total tranqüilidade e trato todos com o maior respeito. Sempre busco dar o meu melhor, ofereço ajuda, lembro da pessoa em minhas orações… Mas não muito mais do que isso.


Ao contrário, dedico meu tempo e minhas maiores habilidades para aqueles que verdadeiramente são amigos. Nunca virei o rosto para ninguém nem pretendo fazê-lo. Acho isso uma verdadeira falta de maturidade. “Ah, não gosta de mim então não falo mais”. Também jamais precisei falar mal de ninguém pelas costas.

Entenda uma coisa sobre relacionamentos: se a pessoa fala mal de você pelas costas é porque ela não é sua amiga. Ponto. Não queira esse tipo de amigo. Você merece amigos que falem bem de você de qualquer ponto de vista, frente ou costas.

Precisa de gente que apóie o que você faz, mesmo que não entenda muito bem. Precisa de gente que você não tenha medo de mostrar suas fraquezas e contar seus problemas, pois ele não vai te julgar nem sair falando para os outros o que foi comentado a sós… Isso é amigo. O resto é gente que convive com você porque precisa. Respeite-os, ore por eles, mas não acredite nas mentiras que eles dizem sobre você.

Você deve saber diferenciar bem seus relacionamentos para saber a quem dedicar o seu melhor. As melhores risadas, os melhores segredos, os melhores passeios… Esses são exclusivos para aqueles que te querem bem de verdade. Curta-os! Ame-os! Elogie-os!

Eu faço isso e dá muito certo. Reduzi meu convívio para poucas pessoas. Afinal, de que adianta ter uma centena de “amigos”, mas não se sentir feliz, respeitado, amado e valorizado? Amigos de verdade fazem isso.

Não existe amizade forçada. Ou gosta, ou não. E quando a pessoa gosta, não critica, nem julga, nem espalha calúnias ou ressalta os defeitos pelas costas. Isso é o oposto de gostar. Cerque-se de pessoas de demonstrem que gostam de você de verdade. E conviva educada e amigavelmente com os outros. Quem sabe um dia eles mudem? O importante é eles não tirarem a sua paz.

Todos merecem ser amados e respeitados, apesar dos defeitos. Gosto muito daquela história da borboleta e do abutre, você já ouviu falar?

A borboleta voa por um amontoado de lixo e encontra uma única e pequena flor. O abutre voa por um campo florido, cheio das mais belas flores, e encontra um pedaço de carne podre. Cerque-se de borboletas, que conhecem todas as suas falhas, mas preferem ressaltar suas qualidades, mesmo que não sejam muitas. O nosso mundo fica muito mais colorido com as borboletas! Seja uma também! Não fale mal de ninguém. É muito mais legal assim.

_______________

Direitos autorais da imagem de capa: deagreez / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.