Comportamento

“O amor conquista tudo”: mãe negra, que foi acusada de sequestrar filho adotivo branco, fala sobre racismo

A mãe biológica do menino era viciada em drogas, e Keia recebeu uma ligação do assistente social para ficar com ele, desde então a família sempre se sente julgada, como se não pudesse ter adotado.



A adoção é uma das formas mais genuínas de constituir família. Os laços sanguíneos são importantes, mas em uma sociedade onde existem milhares de crianças precisando de assistência, os adultos que têm a possibilidade de adotar devem pensar com seriedade sobre o caso.

Trata-se de infantes que podem ter um futuro em família, recebendo amor e carinho, a única coisa que desejam.

Na Carolina do Norte (Estados Unidos), a terapeuta Keia Jones-Baldwin, de 38 anos, planejou durante algum tempo adotar uma criança.


Ela e seu marido Richardo Baldwin haviam conversado várias vezes sobre o assunto, e consideravam a possibilidade de filhos mais velhos. Tudo mudou quando um bebê prematuro nasceu em 2017, filho de uma mulher viciada em drogas.

O supervisor de assistência social imediatamente ligou para a mulher, perguntando se existia a possibilidade de o casal ir ao hospital para conhecer um bebezinho. Em entrevista ao jornal Today, Keia conta que não hesitou e foi imediatamente conhecê-lo, e a união dos dois foi rápida. Quando Princeton já estava forte o suficiente para receber alta da UTI neonatal, pôde finalmente ir para sua nova casa.

A estadia de três meses se tornou permanente, e Princeton conheceu os irmãos Zariyah, 17; Karleigh, 18; e Ayden, 10. Na maioria das histórias sobre adoção, esse seria o perfeito final feliz: o pequeno conseguiu nova família, recebeu muito amor e vive a infância em sua plenitude. Mas existe um problema: o menino é branco e toda a sua família adotiva é negra. Keia conta que, desde o início, recebeu olhares de julgamento acompanhados da pergunta: “Você é a babá?”

Direitos autorais: reprodução Facebook/Rising Culture.


A mãe acaba interpretando esse comportamento como se as pessoas brancas não admitissem que uma criança branca fosse filha de negros, como se eles tivessem que deixá-la com indivíduos da própria raça. Além do preconceito explícito, em duas ocasiões diferentes chegaram a chamar a polícia, denunciando sequestro, transformando o julgamento em caso sério.

Em uma delas, a família estava de férias no Tennessee e decidiu fazer uma sessão de fotos. A profissional que faria os registros sumiu por um tempo e quando voltou perguntou se Princeton era realmente filho deles.

Keia respondeu que sim, e a fotógrafa disse que havia tirado fotos dele com a “verdadeira” família dele duas semanas antes. Alguns minutos depois, a polícia chegou e foi necessário mostrar um documento para comprovar que eles tinham a custódia da criança.

Direitos autorais: reprodução Facebook/Rising Culture.


Em outro momento, o pneu do carro de Keia havia furado, forçando-a a estacionar o veículo em frente a uma casa. A mãe decidiu bater à porta daquela residência para explicar o motivo de ter parado ali, mas o dono da casa foi completamente preconceituoso e nem sequer a ouviu. Como ela estava com Princeton, ele ligou para a polícia e disse que ela havia o sequestrado.

A mulher decidiu usar tudo o que passou como ferramenta para tentar quebrar as barreiras raciais, e criou uma página no Facebook chamada Raising Cultures, onde sempre publica registros de sua família.

Keia conta que não enxerga família como sangue, mas como amor. Quando o menino entrou na vida de seus novos familiares, entrou no coração de cada um. Para a mãe, o amor conquista tudo.

Direitos autorais: reprodução Facebook/Rising Culture.


Comente abaixo e compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais!

Casal de lésbicas “adota” amiga 20 anos mais velha para que ela não fique em asilo. São uma família!

Artigo Anterior

Grávida de gêmeos, jovem deixa hospital com apenas um bebê e ninguém sabe o paradeiro do outro

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.