ColunistasRelacionamentos

O amor e o samurai: um conto emocionante que vai tocar seu coração!

o amor e o samurai

Jogava sal diariamente nas feridas que acreditava terem sido feitas pelo amor, foram tantos cortes feitos pela desunião que ela acreditava ser união, que quando viu, já estava ela ali com 2 cabeças, 4 braços, 4 pernas. 



Uma noite, um Samurai cortou esse monstro com ares de quimera pelo meio, gritando que não lhe pertencia a palavra “amor”, e ela saiu por aí capenga, procurando muros para recostar-se, portos para ancorar-se, muletas para conseguir de novo um pingo de paz para caminhar.

Com as feridas ainda abertas, uniu-se a outro incompleto, e juntos tiveram a falsa sensação de existir. Ela, ainda intoxicada pela paixão, cega pelos hormônios, provou de novo o mesmo ácido que lhe dava a ilusão de que o mundo brilhava mais do que as suas reais cores opacas, muros cinzas, tons pastéis de ar.

Numa noite de agonia, gritou novamente pelo Samurai, e sempre que ele é chamado para findar uma história, ele vem, retalhando o ar, o sangue e até as almas mais duras que pedra.


Impressionante! A lâmina da espada desse guerreiro jamais fica cega.

Dessa vez, ela pensou duas vezes; na incerteza se o tal guerreiro realiza apenas dois pedidos, ela rastejou. Perdeu-se em becos, afundou-se em lama, permitiu-se afogar em oceanos, rodopiar em vendavais.

Olhou para si e mesma sem se ver ainda inteira, começou a desconfiar que sua alma quando sofre só, regenera. Viu então, em si, formar novos membros, sistemas mais eficazes, usou tão mais os seus sentidos que os fortaleceu.

Na solidão seus cabelos cresceram, seus olhos amendoados se acenderam, estava ela criando seu universo flutuante onde cresciam seus salgueiros, cuidou desse jardim de janeiro à janeiro.


Sua pele pálida foi-se encobrindo de seda estampada, chorou tanto que com uma de suas mãos enxugou suas lágrimas; na outra, para sua surpresa, nasceu uma espada.

Dessa vez, sem ela gritasse, ele voltou.

Inteira e segura, ela com ele guardou sua arma, de mãos dadas, caminhando pelo Karyukai, via-se de longe duas sombras: a alma da tal mulher, a força do tal guerreiro.



Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123rf / adrenalinapura


Como controlar conscientemente o estresse e ter uma melhor qualidade de vida?

Artigo Anterior

A arte de amadurecer é a arte de agradecer pelas provas da vida

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.