9min. de leitura

O AMOR NASCE DO INESPERADO… É A EXPRESSÃO DO ETERNO!

O amor nasce do inesperado e improvável, não é capaz de ser verbalizado, mas apenas pode ser vivido.


Certa vez duas pessoas que se conheceram da forma mais inesperada possível, sendo de estados distantes, vivendo suas próprias vidas bem definidas e até de certa forma completamente plenos.

Ele visitando uma cidade nova em busca de conhecer esse maravilhoso lugar e viver as experiências que uma viagem sempre proporciona. O encanto desse visitante foi tanto pela cidade, que ele decidiu procurar algum imóvel para adquirir a fim que pudesse passar férias mais vezes nesse lugar, e desfrutar daquela experiência de viagem novamente. Após várias pesquisas na cidade, ele foi até um condomínio que o agradou muito pela aparência da edificação e pediu informação junto ao zelador se havia ali alguma unidade para vender. O interessante que o zelador foi bem receptivo, apesar de ser uma pessoa com olhar e comportamento bastante truculento, mas finalmente o zelador deu o telefone de uma mulher que tinha uma unidade e tinha interesse em vender o seu imóvel.

O que aquele homem não podia imaginar é que ao pedir uma informação em um condomínio, junto a um zelador sobre se havia ali algum imóvel para vender, ele iria conhecer a força mais oculta, desconhecida e forte o “amor”. Daquilo que seria apenas um simples contato para tentar fazer uma compra que não se concretizou, nasceu um sentimento que não é possível explicar por palavras, mas uma força capaz de mover montanhas.


Com trocas de mensagens simples e troca de conhecimento e interesses em comuns a relação foi se aprofundando, uma verdadeira conexão de alma aconteceu onde as duas partes se tornaram um todo, as duas partes se completam. Contra todas as forças da natureza, da razão e lógica, os sentimentos mais ocultos e profundos foram despertados nesses dois seres. A profundidade de conexão de alma foi tanta, que após somente três meses a relação foi como se ambos se conhecessem a vida toda, na verdade o sentimento despertado foi como se no momento presente a alma deles se completasse / continuasse a partir de uma outra vida.

A partir de uma relação de alma e conexão, despertou em ambos desejos e uma vontade imensa de estarem juntos, de fazerem parte da vida um do outro por inteiro.


O que foge do comum em relação ao amor ou paixão como a literatura ou cultura dita é que esse sentimento sempre nasce a partir de uma conexão de olhares e contato, essa relação em especial despertou a partir da alma e se tornou desejo físico de forma secundária. Um detalhe, nenhum deles nunca se viram pessoalmente, nenhum contato físico ocorreu.

Uma coisa que não se explica facilmente, é o que não se vê ou que se materializa. Como tentar desenhar a lei da gravidade? Como tentar explicar o que não é tangível aos sentidos? O universo sempre surpreende a gente!

O amor é de longe a palavra mais pesquisada na internet, o dobro que palavras como felicidade e sexo por exemplo. Faça uma pesquisa no Google e se surpreenda com os números, também pode consultar os Trends do Google.

Afinal como definir o amor?

No vocabulário o amor é um substantivo masculino: 1. forte afeição por outra pessoa, nascida de laços de consanguinidade ou de relações sociais; 2. Atração baseada no desejo sexual.

A definição do vocabulário é muito vaga e não é capaz de expressar todas as formas que a alma transmite. O Apóstolo de Jesus, Paulo conseguiu expressar o amor de uma forma impressionante e que virou uma bela canção pela voz do lendário Renato Russo.

Na carta aos Coríntios no capítulo 13, Paulo fala com profundidade do amor:

“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria. O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.”

Como terminou a história desse casal contada acima?

Ela não terminou, porque histórias como essas são metáforas da vida ou da realidade que acontecem todos os dias de uma forma inesperada. A história do casal acima é real e de fato aconteceu e foi assim narrada, mas é uma história que não tem fim!

Como não tem fim? Simplesmente não tem fim. O amor é uma energia atemporal, ela não é regida pelas leis do espaço e tempo. Se não são regidas pela lei da física ou da matéria, então não se pode medir ou tentar dar tangibilidade.

O amor é parte da atemporalidade da alma, onde tudo só ocorre no momento presente, não existindo passado ou futuro, apenas o estado presente. Os gregos usavam duas palavras para medir o tempo, sendo uma o khronos que é de natureza quantitativa, o “tempo dos homens” ou o tempo como o conhecemos em relógio e o outro o Kairós ou “tempo de Deus” (a eternidade).

A amor é a expressão do eterno, como Paulo disse: “Tudo espera”, ou seja, o amor não tem um tempo ou um fim em si, ele sempre vai estar lá pronto para despertar em cada alma. O amor sempre existiu e existirá, nascendo e renascendo conforme as situações do universo e da vida fornecer a condição ideal.

Não se fechar as oportunidades e nem se limitando as possibilidades, sempre vai existir o despertar do amor. O amor não é exclusividade de alguns, mas é de todos, uma vez que é parte da fagulha divina em cada ser.

Não tem riqueza que paga o amor, ou seja, capaz de comprá-lo, não tem expressão ou palavra para descrever, não existe uma fórmula matemática capaz de dar solução ou resposta ao amor.

Só é completo quem tem alma aberta para deixar o amor despertar, e para ter alma você precisa do amor, são indissolúveis a alma e o amor, são únicos, já que a alma é toda a expressão do ser que é puro amor. A humanidade precisa de mais Kairós ou “tempo de Deus” para que estejamos inteiramente presente e possamos sentir e tocar a alma de cada um.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.