O desafio do amor não está na igualdade, e sim na magia da diversidade

O desafio do amor não está na igualdade, e sim na magia da diversidade, que revela um mundo de cores, sabores, fantasias e alegrias, sentidas e percebidas de diferentes formas.

Na crendice da mesmice tudo seria preto e branco, na monotonia do desencanto.



No filme “O doador de memórias” (que vale a pena conferir), por exemplo, a vida funciona de forma pacata, estável e aparentemente “perfeita”, sem guerras e sofrimentos, mas também sem emoções, sem sentimentos, sem memórias.

O que mostra que a perfeição da criação não está na igualdade, e sim na diferença.

É necessário buscarmos sintonia, simpatia e empatia, e não um reflexo da própria personalidade, ausentando a individualidade do outro, como se procurássemos um “clone”, ou outra metade de nós, perdida em algum lugar.

Almas não são “gêmeas” e sim afins.

São pessoas que buscam o mesmo “fim” (finalidade), que lutam pelos mesmos ideais, e por isso caminham juntas, olhando na mesma direção, na realização de objetivos e sonhos em comum.


Cada pessoa possui um dom especial, mesmo que ainda não tenha descoberto.

Não somos obras do acaso, temos luz própria. Portanto, quando o desânimo bater à porta, lembre-se de que você é um ser único(a), e o que encanta é poder encontrar em você o que ainda não se revelou em mim, e poder lhe revelar o que somente em mim você encontrará.


Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.