Pessoas inspiradoras

O dia em que a princesa Diana consolou uma mãe desconhecida que chorava a perda de seu filho

capa site O dia em que princesa Diana consolou uma mae desconhecida que chorava a perda de seu filho

Apenas algumas semanas antes de sua morte trágica, Lady Di visitou a Bósnia em um de seus trabalhos de proteção dos direitos humanos.

A história sobre Diana Frances Spencer, contada inúmeras vezes de ângulos diferentes, nunca se cansa de ser analisada. Conhecida como a “Princesa do Povo”, Lady Di mexeu com uma das instituições mais antigas e retrógradas do mundo, a monarquia, além de ganhar o coração do público, que se apaixonou por sua narrativa.

Assim que terminou seus estudos superiores na Suíça, Diana se mudou para Londres, onde começou a trabalhar como professora de jardim de infância. Ela conheceu o príncipe Charles em 1977 e em 1980 se tornou uma das favoritas dos tabloides britânicos, que não se acanhavam em anunciar que ele estava novamente apaixonado.

O casamento foi celebrado em julho de 1981, quando Diana acabava de completar 20 anos; o príncipe Charles tinha 33. O evento foi um dos mais assistidos, alimentando os sonhos de todas as jovens que queriam ser membros da realeza como ela. Apenas quatro meses depois da união, a realeza anunciou que o casal estava esperando o primeiro filho.

Além de toda a história que já ouvimos incontáveis vezes, a princesa de Gales assumiu inúmeras funções reais ao lado do marido, representando a rainha Elizabeth em vários eventos no mundo. Mas ela acabou se destacando no trabalho humanitário, colaborando com grandes instituições, como a Cruz Vermelha britânica.

Poucas semanas antes do trágico acidente que tirou sua vida, em 1997, a princesa de Gales, separada do príncipe Charles desde o ano anterior, visitou a Bósnia como parte do seu trabalho contra minas terrestres. Diana viajou acompanhada dos amigos Ken Rutherford e Jerry White, e no último dia insistiu para que todos fossem ao Cemitério de Guerra de Sarajevo, onde as vítimas da Guerra da Bósnia tinham sido enterradas.

Jerry explicou, em entrevista à Entertainment Weekly, que eles não tinham planejado aquele passeio e que já estavam atrasados para outros compromissos, mas Diana insistiu e disse que não conseguia tirar da cabeça a imagem de si mesma em um cemitério. Ele contou que ela caminhou de maneira lenta entre as lápides, até umas roseiras de cor amarela.

2 O dia em que princesa Diana consolou uma mae desconhecida que chorava a perda de seu filho

Direitos autorais: reprodução/ Daily Telegraph

Foi durante seu passeio, que a princesa de Gales se deparou com uma mãe bósnia chorando sobre o túmulo do filho, e mesmo encontrando a barreira da língua, elas simplesmente se abraçaram de maneira íntima e emocional, como se houvesse uma linguagem de mães. As fotos foram feitas no dia 10 agosto de 1997, e Diana é vista enxugando as lágrimas da mãe, tentando minimamente confortá-la.

Jerry ainda descreveu a querida amiga como uma pessoa com uma intuição aflorada, sabendo exatamente como se comportar diante do sofrimento de outras pessoas. Justamente por isso, ela ouviu mais do que falou, precisando saber sobre o que aconteceu no local e encarando a dor que a população estava sentindo.

A visita de Lady Di vai completar 25 anos em agosto de 2022, ou seja, há um quarto de século grupos já lutavam bravamente contra as minas terrestres. Depois da Guerra da Bósnia, que durou de 1992 a 1995, o local foi inundado de minas terrestres, tornando-se o perímetro com maior número de artefatos do mundo, um perigo para a população.

3 O dia em que princesa Diana consolou uma mae desconhecida que chorava a perda de seu filho

Direitos autorais: reprodução/ Daily Telegraph

Em 2017, o vice-ministro de Assuntos Civis da Bósnia, Vojin Mijatovic, disse que a meta de extinguir todas as minas do país até 2019 deveria ser revista, isso porque, além dos problemas de financiamento, o tempo fez com que determinadas vegetações adquirissem outro formato.

Além dos campos minados, as minas individuais se mostram extremamente complexas de serem retiradas, principalmente porque os profissionais demoram tempo demais para encontrá-las, sendo essas as mais perigosas, já que ninguém sabe onde estão, assim podem matar os civis a qualquer momento.

0 %