O equilíbrio entre vida amorosa, profissional e acadêmica:



Como equilibrar tempo e dinheiro entre estudos, emprego e “mozão”?

Então eu e você chegamos àquela fase da vida onde suportamos um excesso de vodca e Coroti, mas vez ou outra precisamos de um antiácido para o estômago, um analgésico para a cabeça, um relaxante para as costas e um remédio para manter a sanidade mental.

Estamos naquele processo onde enriquecemos ao meio-dia do quinto dia útil e voltamos a ser pobres um tempo depois, assim que pagamos a fatura do cartão e a mensalidade da “facul”. A juventude é aquele momento bonito onde às cinco da tarde você não está disposto nem mesmo a tomar banho, e às 23 está dançando loucamente numa balada qualquer que seus amigos decidiram conhecer. Ah, a juventude, como é doce!

Como são bons os beijos regados à cerveja, e as selfies com os amigos que não são publicadas a fim de manter a imagem que a família tem de cada um de nós. É um encanto rir relembrando a música de abertura de Dragon Ball e as cenas de “As Branquelas”.

A juventude é aquele momento onde a vida te lança de um avião em movimento com um Red Bull na mão e mostra como a vista é bela. O problema é que quando a queda chega ao ápice e você já está até terminando o energético, enquanto aprecia o vento refrescando sua pele, ela lhe mostra como é longe o chão lá embaixo, e faz questão de lembrar que, caso você não saiba pousar ou não tenha paraquedas, vai se esborrachar.

E é bem nesse encontro entre céu e inferno, risada e confusão, música e silêncio que enfrentamos nossas maiores cobranças.

Você já passou dos 20; comprou um carro? Possui CNH? Já casou? Ao menos tem alguém para dormir com você? Está em que ano da faculdade? E a pós-graduação, vai fazer quando? Já fala inglês? Está ganhando um bom salário ou permanece no mínimo?

Sim, muitas são as cobranças sobre um jovem da minha e da sua idade. Por vezes o mundo dos adultos nem se dá conta de que está cobrando de nós tudo aquilo que nem mesmo eles foram capazes de conquistar, ou até mesmo aquilo que conquistaram, mas não antes dos 30. E essa insistente cobrança não é fruto de chatice, implicância e falta do que fazer; pelo contrário, eles estão apenas nos pedindo que sejamos capazes de dar ao mundo os resultados que ele espera, para que não sejamos esmagados. Mas isso é assunto para outro texto!

Então, vamos focar no assunto principal que é o bendito equilíbrio.  Como equilibrar tempo e dinheiro entre estudos, emprego e “mozão”?

Não, não é fácil. Na verdade, não é nem um pouco fácil, e acredito que isso não se aprenda apenas com um texto. Alguns aprendizados são adquiridos todos os dias e, sem sombra de dúvida, este é um deles.

Um dos primeiros passos é ser sincero consigo mesmo sobre quais suas projeções. O que você quer fazer? Onde quer chegar? O quanto terá de estudar e trabalhar para alcançar todo esse sucesso? Sabendo onde você está em relação a você mesmo será mais fácil perceber onde estes assuntos estão. Por exemplo, você quer trabalhar numa grande empresa e ganhar um ótimo salário. Para isso, terá de estudar muito e prestar um bom serviço. Paralelo à situação há o seu amor, meu grande amor.

A questão é: você dá conta do recado de levar tudo isso ao mesmo tempo sem deixar nada “de canto”?

Não é simples pensar sobre você mesmo, quanto mais quando este pensamento pode definir seu próximo passo, mas é preciso. Se o relacionamento está sendo prejudicado, é hora de colocar-se no lugar da outra pessoa e pensar sobre como estaria se sentindo caso a situação fosse contrária. Se o emprego está sendo defasado, é hora de pensar sobre talvez ganhar menos dinheiro em outro lugar e prestar um serviço melhor, e se a faculdade é a bola da vez, pense sobre qual a importância desta graduação em seu futuro. Analise com calma o contexto de cada uma das situações ao seu redor, e a forma como isto está lhe influenciando.

Mas é preciso pensar principalmente em você. O quanto você está feliz em cada uma dessas situações. Você está se graduando neste curso porque quer ou porque esperam que se gradue?

Você mantém este emprego porque quer ou porque imagina que não conseguirá outro? Você continua inserido neste relacionamento porque escolheu e todos os dias continua escolhendo, ou apenas porque se acostumou a ter companhia?



A maioria das confusões que ocorrem fora de nós começam dentro. Para equilibrar os fatores ao seu redor você precisa primeiro equilibrar sua mente e alma.

Se você estiver tão estressado com o ritmo exaustivo que sua vida está levando que já não consegue focar em nenhuma de suas atividades com o afinco necessário, é hora de encontrar dentro de você o que está gritando mais alto e lhe tirando o sono.

Além disso, há as interferências entre um assunto e outro. Por exemplo, você sonha trabalhar num grande banco, mas insiste em cursar engenharia alimentícia. Sinto em informar, mas dificilmente seu curso será selecionado. A parte de cálculos é ótima para as empresas monetárias, mas a ramificação ‘alimentícia’ proporcionará maiores chances a outros concorrentes. Da mesma forma, você quer brilhar, conquistar o mundo e ter uma placa com seu nome na Paulista, enquanto seu amor sonha em morar no campo, numa casa alta, longe do agito das cidades. Quando os sonhos não caminham de mãos dadas torna-se mais difícil aos sonhadores estar atrelados.

Para encontrar o equilíbrio entre as muitas atividades as quais você está inserido neste momento é preciso primeiro equilibrar o que você quer e o que precisa, porque pode parecer que sim, mas estas coisas não são iguais. Talvez você queira sair de casa às 8 da manhã, retornar após a meia-noite, ir a festinhas no fim de semana, ter um “mozão” para passear domingo à tarde, ser voluntária numa ONG e cuidar de 3 cachorros, e o que precise seja apenas ter foco em uma dessas situações.

Minha avó dizia que quem muito quer nada tem. Infelizmente você corre o risco de aprender isso na raça, caso não se cuide.

Pare, respire e dê um tempo a si mesmo antes de abraçar o mundo. Tenha um tempo para dormir no fim de semana, e também para se divertir ou fazer seus trabalhos.

Organize-se melhor para que se quiser tomar sorvete na hora do almoço você possa fazê-lo sem o peso de saber que deveria estar fazendo qualquer outra coisa, exceto tomar um sorvete.

Buscamos tanto o equilíbrio entre os fatores de nossas vidas, que acabamos por esquecer da vida em si. Queremos tanto organizar nossa rotina em cada milésimo de segundo que optamos por deixar para depois o que mais importa: nós mesmos.

Por isso, pense com mais carinho sobre seu tempo. Dê à sua mente o espaço que ela precisa, e busque organizar melhor a forma como você se sente em cada situação, ao invés de organizar a forma como cada situação age sobre sua vida.

Quando você se permitir ouvir a voz do coração perceberá que algumas coisas talvez já não devam mais estar em sua rotina, e então conseguirá ter coragem e força suficientes para soltar as amarras.

______

Direitos autorais da imagem de capa: konradbak / 123RF Imagens






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.