publicidade

O maior dos medos de quem ama não é o que você pensa

O maior medo de quem ama alguém é o de não ser correspondido. A possibilidade de todo o investimento não ter retorno consome o amante que busca somente a recíproca.



Tamanho é o medo que é capaz de mudar a transitividade do verbo amar… Apenas ama-se, de maneira intransitiva. Assim, cria-se uma proteção ao amor, ao amante e ao amado.

No entanto, a cada aproximação da realidade aumenta-se o medo do amor não ser recebido, e com isso, não ser concretizado. O medo, então, devora a perspectiva, o futuro e, consequentemente o presente. O maior medo de quem ama e não é correspondido é o medo desse amor cair no vazio.

O maior medo de quem é amado é a possibilidade de deixar de sê-lo. Na busca do contrário, investe-se ainda mais nesse amor com o objetivo de afastar as chances da perda.

Fortalecem-se então os vínculos, recriam-se as memórias, tudo para afastar o medo da perda do amor recebido. O medo de deixar de ser amado é angustiante. Desolador. A perda do amor do outro equivale à perda da gravidade, os pés deslocam-se do chão. Perde-se o contato com a realidade. Realidade que foi construída no amor recebido. O maior medo de quem é amado é o risco, real e também imaginário, de simplesmente de deixar de existir para o outro.


Mas o maior de todos os medos de quem ama é a possibilidade que vem de dentro. É o único medo que não depende ou envolve o outro. O maior dos medos é o medo de, simplesmente deixar de amar. Chega a ser surreal, porém não impossível, deixar de amar o objeto amado, cuidadosamente escolhido, conscientemente cultivado.  Medo que desafia a vulnerabilidade humana.  Deixar de amar quem se escolheu para amar é um medo tão aterrorizador que não nos damos conta de sua ameaça.  Optamos por suprimir, ocultar e desconsiderar, tamanha é a dor de aceitar sua possibilidade.

Em algum lugar, bem escondido, sabemos desse medo. Por isso, tratamos o amor como um amuleto da sorte.

Aquele que seguramos firmes com as duas mãos e não o soltamos simplesmente pelo fato de que acreditamos que o sentimento nos pertence.  Agarrado a esse amuleto, enfrentamos o tempo, a distância, as mágoas, inconstâncias e incertezas.

O maior de todos os medos é o risco da possibilidade de que o amor sentido, aquele amor intransitivo, vire uma lembrança, transforme-se em uma memória, uma história contada. Uma história na qual você não é mais o protagonista, mas apenas um espectador distante.



Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: fsstock / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.