publicidade

O melhor detox da alma é parar de consumir a maldade alheia

Não é à toa que “afastar-se do mal” é um dos primeiros conselhos que recebemos dos nossos pais. Pessoas maldosas são vampiros da energia alheia, invejosos de conquistas e articuladores de planos destruidores. E, acredite, isso não é exagero!



A natureza humana é má. Temos nossos momentos de raiva, indignação, sede de vingança e isso é normal. Anormal é permitir que esses sentimentos dominem nossas atitudes.

O que difere uma boa pessoa de uma pessoa má é a forma como age diante dos fatos. Para convivermos em sociedade, temos a necessidade de nos controlarmos diante das mais diversas situações e é, exatamente isso, que separa os bons dos maus.

Saramago dizia que “não sabemos o que é ser infinitamente bom. Sabemos o que é ser relativamente bom. E sabemos que não somos capazes de ser bons toda a vida e em todas as circunstâncias. Falhamos muito. E depois reconsideramos, o que não quer dizer que o reconheçamos publicamente”.


Infelizmente, a sociedade se acostumou com a maldade, já que, muitas vezes, ela se instaura de forma sutil e passa desapercebida por nossa vida.

Disfarçada de pessoas amáveis, de situações inofensivas e de elogios falsos, a maldade vem com um único objetivo: destruir a autoestima de pessoas boas, honestas e felizes.

O psicólogo argentino Bernardo Stamateas, autor de “Gente Tóxica – Como Lidar Com Pessoas Difíceis e Não Ser Dominado por Elas” (publicado no Brasil), afirmava que estes parasitas sociais fingem ser amigos, mostrando o seu lado mais inofensivo, para ir minando, pouco a pouco, a segurança da vítima com comentários sutis e com maldades “inofensivas”.

“Na realidade, o seu objetivo é reduzir a autoestima e o valor da pessoa, para a sua autoridade aumentar. O que pretende é obter poder e controle sobre tudo e todos”.


Não se iluda: a maldade não tem preferências. Para ela não interessa sua condição financeira, sua fisionomia ou sua profissão. O que, realmente, importa é o que fere a sua alma e o quanto você aguenta até cair. Então, o melhor a fazer é afastar-se.

Lillian Glass, escritora e especialista em comunicação, em seu livro Pessoas Maléficas , explica que um indivíduo venenoso afeta qualquer área de nosso bem-estar.

Na mesma linha de estudos, Lillian Glass publicou “Toxic People – 10 Ways of Dealing With People Who Make Your Life Miserable”, obra em que introduziu o termo “Toxic” para os estudos do comportamento humano. No livro, a autora descreve o perfil desses vampiros psíquicos: “alguns são indivíduos com uma autoestima tão baixa e que se sentem tão deprimidos que conseguem, para melhorar o próprio estado de espírito, absorver a alegria das pessoas que os rodeiam”.

Portanto, ao perceber que está sendo alvo da maldade alheia, apenas afasta-se.

Não procure mudar o comportamento ou mostrar o quão erradas essas pessoas estão, isso seria como dar murro em ponta de faca. Entenda que, quem pratica o mal, pratica-o por prazer e não carrega culpa alguma ao fazer isso.

Queria o bem, faça o bem, viva o bem. Lembre-se que todo o sofrimento causado, volta para o lugar de origem, portanto, seja sábio em suas atitudes. Acredite que as pessoas boas não são raras e que, no caminho da vida, você encontrará milhares delas.

Selecione seus relacionamentos, analise suas amizades e respeite seus limites. Lembre-se que, o poder de lhe fazer mal, só é dado aos outros se você permitir.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: javiindy / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.