ColunistasEmoções

O poder das anotações no controle das emoções

O poder das anotações no controle das emoções

Todos nós, todos os dias, somos surpreendidos por nossas emoções.  A verdade é que não dá para passar um dia em branco e ainda bem!  Mesmo que não haja novidade em nossas ações, os nossos pensamentos viajam, e essas viagens nos proporcionam diversas emoções. 



Aprendi que não existem emoções boas ou ruins.  Existem emoções agradáveis ou desagradáveis, pois cada emoção que chega, chega por uma finalidade, chega com um propósito.

O medo, por exemplo, pode ser uma emoção desagradável, mas ele tem o seu propósito.  Se eu estou em uma região que os índices de violência indicam como uma região perigosa, o meu medo de andar sozinha na rua tem o propósito de me proteger e me deixar alerta.  Assim, apesar de ser um sentimento desagradável, ele tem um propósito positivo.

O medo pode estar presente em diversas situações e pode chegar junto com aquele convite para apresentar o novo projeto na empresa.  Neste caso o medo pode nos levar para dois caminhos:


– O medo paralisante que nos paralisa e nos faz recusar o convite porque não conseguimos nos imaginar falando em público; ou…

– O medo que nos tira da zona de conforto e nos faz partir para ação.  Esse medo nos coloca em movimento e nos faz buscar recursos que nos levem ao sucesso.  Você se prepara, estuda o conteúdo, treina a apresentação e, ao dominar totalmente o planejamento da apresentação, percebe que seu esforço não deixou outra opção, que não seja o sucesso.

Isso pode acontecer com outras emoções também, inclusive as emoções agradáveis.

Algumas vezes paramos para pensar sobre o que estamos sentindo, mas o problema é que um pensamento atropela o outro e, muitas vezes, tomamos atitudes com base no último pensamento, que nem sempre é o mais acertado.  E se a decisão não for acertada, vem uma enxurrada de outros sentimentos que geram estresse, frustração, impotência e outras variações de emoções.


Por isso eu o convido a fazer uma reflexão sobre suas emoções! Eu o convido a fazer uma reflexão escrita! Escrever é um exercício importantíssimo para trazer clareza à situação.

Primeiramente tente mensurar o que está sentindo.  Dê uma nota ou use uma metáfora de comparação.

Então, comece escrevendo o que você está sentindo.  Dê nome a cada sentimento!  Se possível, escreva todos os sinônimos desse sentimento (escreva todos que lembrar).  Isso é importante porque, às vezes, achamos que sentimos uma coisa, mas quando usamos o sinônimo para descrever, percebemos que o que sentimos “não é tudo isso…” ou “é muito mais que isso…”.

Escreva como começou, por que começou, quando… coloque todos os detalhes possíveis, aliás, depois que achar que colocou tudo, pense mais um pouco e perceberá que surgirão mais informações.


Escreva sobre o que pensa fazer e quais as consequências de todas as possibilidades de atitudes.  Escreva sobre as pessoas envolvidas.  Escreva o que você ganha e o que você perde.

Complete as frases: na melhor das hipóteses vai acontecer… / na pior das hipóteses vai acontecer…

Não tenha pressa.  Não coloque limites na sua escrita, simplesmente escreva o que está sentindo. Escreva como pode transformar esse sentimento.  E se o sentimento fosse o oposto disso, como seria? Quando achar que acabou, pergunte-se:  Vale a pena sentir o que estou sentindo?  Vale a pena tomar alguma atitude?

Depois de ter escrito tudo o que queria escrever, leia em voz alta.  A leitura vai ajudá-lo a refletir sobre tudo o que colocou no papel. Quando concluir a leitura, mensure o sentimento novamente.  Dê uma nota para esse novo momento, após a escrita e leitura, e avalie se houve evolução.


Tenho certeza de que será um exercício muito positivo e depois de experimentar você vai entender o poder das anotações no controle das emoções.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: na2xa / 123RF Imagens


Quando você se relaciona com alguém, qual é o seu limite?

Artigo Anterior

Não dê poder a ninguém!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.