4min. de leitura

O poder das palavras, tanto para o bem quanto para o mal

Este artigo fala sobre o poder das palavras de transformar a vida das pessoas, tanto para o bem quanto para o mal.


Ele está fundamentado na filosofia da linguagem quando afirma que “o ser humano é um ser que fala”. Dessa forma, ao falar, o ser humano expressa a sua totalidade, aquilo que ele é: ser um com os outros no mundo.

Por outro lado, somos da opinião de que ao definir o ser humano como “ser que fala” é reduzi-lo ao extremo. O mais correto é afirmar que o ser humano é um ser aberto, plural, e como tal não pode ser definido. Ou seja, a indefinição do ser humano constitui-se na mais extraordinária experiência: a vida humana deve ser feita, deve ser construída.

Como ser falante, o ser humano se desenvolve em todas as suas dimensões. Por exemplo, ao falar sobre política, economia, religião, esporte, o ser humano também está falando de si mesmo. Por isso, devemos ter cuidado com as palavras.


Muitas vezes, usamos palavras sem saber realmente o sentido e o significado delas. E aí a confusão está formada!

Pelo mau uso das palavras, muitas amizades, casamentos e até negócios são desfeitos. Antes de pronunciá-las, devemos saber que palavras têm o poder de criar e de destruir. Por isso, os pais, os professores, devem evitar palavras que não contribuem com a formação das crianças. Palavras que destroem os sonhos ou a autoestima de uma pessoa jamais devem ser pronunciadas!

Quando um ser humano começa a falar, já está envolvido por esse sentido que o acompanha em todo o seu falar. Por isso, a forma como enxergamos a vida, o mundo, os outros está diretamente relacionada com a fala e consequentemente as palavras. Como ser que fala, devemos pensar bastante antes de falar, seja para elogiar ou criticar. Em ambos os casos, devemos ter sempre muito cuidado com as palavras!

Como a sociedade atual é marcada pela comunicação instantânea, os profissionais da comunicação (jornalistas, publicitários…), os professores, os escritores, os padres, pastores e demais formadores de opinião, devem ter todo o cuidado do mundo com o que dizem. Uma palavra mal usada, fora de contexto, pode estragar a vida de muita gente. Ou seja, palavras erradas costumam machucar para o resto da vida.


Por isso, no encontro com o outro, no trabalho ou na igreja, na família ou no lazer, na crítica ou no elogio, prefira sempre palavras que são pontes de amor fraterno, amizade sincera, palavra de vida, como escreveu o evangelista João (1:1): “O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam – isto proclamamos a respeito da Palavra da vida.”

Em suma, falar é uma questão de comunicação, de expressão, de sobrevivência humana.

Então, somos o que somos pela fala. Por isso, não devemos ficar falando apenas das coisas negativas, do lado ruim da vida, devemos proclamar apenas as coisas boas da vida, falar palavras que colocam o outro para cima, edificam o ser humano, assim como está escrito em Efésios (4:29): “Não saia da boca de vocês nenhuma palavra pervertida, mas somente o que for bom para a edificação.”

 

Direitos autorais da imagem de capa: Jackson David/Unsplash.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.