O que está por trás do medo?

A palavra medo provém do termo latim “metus“, que significa “inquietação, temor, ansiedade”. É um dos sentimentos mais comuns, mais constantes em nossas vidas, que se manifesta de diversas formas e com o qual, ao longo da vida, nos acostumamos.

Quando procuramos em dicionários o significado da palavra medo, achamos as seguintes definições:

  • Estado emocional provocado pela consciência que se tem diante do perigo ou de ameaças reais, hipotéticas ou imaginárias;
  • Sentimento de ansiedade sem razão fundamentada;
  • Grande inquietação em relação a algo desagradável, à possibilidade de um insucesso, etc.;
  • Temor; comportamento repleto de covardia; ausência de coragem.
Por ser um estado comum, a maioria de nós acaba por não parar para refletir a respeito do medo. É óbvio para todos que a sensação que ele causa é desconfortável e angustiante. Que os atrapalha e, muitas vezes, impede que realizemos alguma tarefa ou atividade que gostaríamos. Mas será que é só isso?

Os reais efeitos do medo

Em física quântica aprendemos que tudo é energia, incluindo nós mesmos e nossos sentimentos, e que somos cocriadores da nossa realidade. Cada pensamento e sentimento vibra numa frequência que é levada por nosso campo eletromagnético para as células de todo o corpo e se propaga pelo ambiente à nossa volta, entrando, em ressonância com tudo que é semelhante. É dessa forma que cocriamos nossa realidade. Se emitimos pensamentos e sentimentos ruins, vibramos em baixas frequências e atraímos (ou materializamos) tudo aquilo que vibra de forma semelhante.

Na tabela de Hawkins vemos que o medo possui baixa vibração e carrega consigo emoções e resultados ruins.

tabela - o que está por trás

O medo, em suas várias formas de manifestação, é um poderoso sabotador da materialização de seus sonhos e desencadeia diversos processos prejudiciais no seu sistema.

Ele não é só aquela angústia enorme ou temor de que algo ruim aconteça. Ele tem várias facetas. Pode ser “sorrateiro”, muitas vezes, apresentando-se num disfarce que não nos deixa perceber sua verdadeira face.

Sabe quando desejamos algo e, no meio da nossa crença de que aquilo se realizará, aparece aquela dúvida do “será que eu vou conseguir? Será que vai mesmo acontecer?” Nesse momento o medo se instala. Aquela dúvida “normal”, que acreditamos que faz parte, chama-se medo.

Já reparou que, muitas vezes, temos um sonho, procuramos os meios para torná-lo real, e nós nos esforçamos para que isso aconteça, cremos que tudo vai ocorrer como desejamos e, depois de tudo isso, aparece aquela sutil hesitação que instala uma dúvida e acaba nos desanimando? Que planta a aceitação prévia da possibilidade de não dar certo? O pensamento de “Mas se não der certo, tudo bem”. E pior que nos faz crer que essa hesitação é saudável porque supostamente nos prepara para não nos decepcionarmos perante um possível fracasso.

O medo disfarçado de dúvida é talvez mais perigoso que o medo explícito, pois ele acaba não combatido. 

Quando sentimos aquele medo angustiante, declarado, que beira o pavor e causa reações físicas notáveis, sabemos que não é bom e que precisamos combatê-lo, freá-lo ou, no mínimo, controlá-lo. Quando nos vemos nessa situação, instintivamente temos consciência de que precisamos reverter esse estado.

Mas, você já reparou que quando o medo vem vestido de receio, dúvida ou hesitação, tendemos a encarar como algo normal? A achar que faz parte e que, portanto, não há porque combatê-lo, uma vez que não é nocivo? É nesse momento que estamos “alimentando o monstro”, que damos permissão para que ele ganhe espaço e controle nossos resultados, sem que nos demos conta.

Quando damos espaço para a dúvida, estamos declarando para o nosso inconsciente que cremos que não somos totalmente capazes de realizar aquele desejo. E sabe qual é o perigo disso?

O inconsciente, ou subconsciente, é como se fosse nossa caixa preta e é ele que controla o seu “piloto automático”, através de tudo que tem armazenado nele. Ele é programado para reconhecer e atrair tudo que lhe é familiar e não consegue distinguir o que é real do que é imaginário. Ou seja, tudo que você pensa ou crê ser possível, para a mente é real, inclusive o fracasso. Quando você acredita nisso, sua mente envia, através de seu campo eletromagnético, para todo o seu corpo e ambiente à sua volta, a vibração dessa informação sintonizando, atraindo e materializando aquilo que vibra na mesma frequência. Ou seja, se você pensa e vibra na possibilidade do fracasso, você atrai fracasso.

Entende agora o que acontece quando você se permite ter aquela dúvida “normal”? Aquele receio “inofensivo”?

Ansiedade

Uma outra forma comum de medo, igualmente nociva, é a ansiedade. Mas, como assim? Ansiedade não seria o anseio para que algo aconteça logo porque temos a certeza de que acontecerá?

Não! Quando temos a plena certeza de algo, sem dúvidas ou receios, não nos sentimos ansiosos. Pelo contrário, ficamos tranquilos, pois sabemos que aquilo virá para nós. É o que chamamos de “soltar”.

Quando você tem consciência do seu potencial cocriador, da sua natureza divina, você não tem por que sentir preocupação ou ansiedade. Você simplesmente deseja, age para que se realize, e “solta”. Porque você tem certeza de que aquilo virá no momento apropriado e consegue sentir que aquilo já é real e será acessado no momento propício.


Crenças limitantes

Sabe aqueles medos que nos foram ensinados? Que são quase que senso comum? Ou aqueles que nos são plantados todos os dias quando ligamos a TV e vemos nos telejornais as notícias de violência e crise financeira?

Cada um desses medos plantados em nós pela sociedade ao nosso redor, ao longo da vida, constrói uma espécie de reserva de medo ou de crenças limitantes que agem barrando a cocriação de nossos sonhos de forma tão automática que sequer nos damos conta ou questionamos o que acontece. Essas crenças limitantes atrapalham o processo de materialização dos sonhos, pois  alteram sua percepção, devido às memórias inconscientes, que projetam o resultado dessas crenças na realidade atual.

Pare para pensar que andamos na rua com medo à noite, pois “posso ser assaltado”. E quando o assalto realmente acontece, pensamos “bem que eu estava com receio disso, eu estava certo”. Ou que a maioria das pessoas está em constante tensão em relação a manter seu emprego porque “O país está em crise. Estão acontecendo muitas demissões”, e então quando são demitidas, logo associam que estavam certas por temer que isso acontecesse.

Percebe que o subconsciente já estava programado para sintonizar na frequência dessas crenças e, consequentemente, atraí-las, sem que a pessoa se dê conta de que ela tem responsabilidade sobre a ocorrência dos fatos que temia?

Isso ocorre o tempo todo em nossas vidas por causa de medos plantados, muitas vezes, desde a infância.


Não deixe que o medo congele a cocriação!

Mesmo que você tenha desejado, visualizado e agido da maneira certa para que aconteça aquilo que deseja, se você se permite ficar receoso, ansioso ou com medo, vai interromper o processo de cocriação do que desejou. O processo pode já ter se iniciado, a materialização pode já estar acontecendo, mas se você der espaço para esses sentimentos, será interrompido e você terá que realinhar tudo para iniciar novamente a realização. Sua realidade vibra na polaridade da informação dada pelo seu inconsciente. Quando se permite sentir qualquer tipo de medo, você baixa sua frequência no meio do processo e impede que o seu desejo se realize, congela o processo de manifestação daquilo que deseja.

Quando ocorre esse congelamento, todo o esforço que havia feito para tornar real o que deseja é anulado. Em outras palavras, você descolapsou a função de onda. É como se você voltasse correndo de ré pelo percurso que já caminhou e, então, terá que percorrê-lo todo novamente. Terá que reaplicar seus esforços, iniciar novamente do zero todo o processo.


Reprograme a sua mente!

Pode parecer difícil, mas é possível se livrar dessas crenças limitantes e dos medos disfarçados que atingem, sem que sequer percebamos. Agindo em plena consciência de seu poderoso potencial divino cocriador, você é capaz de controlar sua mente, seu corpo e sua realidade.

Seja um fiscal de seus próprios pensamentos. O pensamento dá forma à realidade, e se você dá uma forma inadequada a seus desejos, eles não se materializarão da maneira como você pretendia. Policie-se, ao perceber qualquer pensamento de medo que possa baixar sua vibração, cancele-o.

Use todas as ferramentas eficazes que puder para limpar suas memórias inconscientes, suas crenças limitantes, seus medos, seu piloto automático e verá as incríveis mudanças que ocorrerão na sua vida!


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: talashow / 123RF Imagens



Deixe seu comentário