ColunistasComportamento

O que eu sou tem a ver comigo, não com o que eu faço!

O que eu sou tem a ver comigo não com o que eu faço

O que eu sou tem a ver comigo, não com o que eu faço! – Você não é o seu trabalho!



Você e todos que você conhece erraram a vida inteira na hora de querer ser alguma coisa.

Lá pelos 12 anos você já mudou a sua resposta umas vinte vezes. Antes queria ser astronauta, depois médico, ator e, por fim, jogador de futebol. Desde que nos conhecemos por gente ouvimos a famigerada pergunta: O que você quer ser?

E sempre respondemos ela de forma errada.


O que você quer ser?

Talvez por influência dos adultos, mesmo quando pequeninos associamos o “ser” a uma profissão. O que nós somos é interpretado como aquilo que fazemos. O trabalho nos define e, influenciando a maioria das nossas decisões importantes do berço à cova, o trabalho define a nossa vida. Mas você não é o seu trabalho.

O trabalho é uma ocupação, portanto tem caráter temporário. O que eu faço hoje para ganhar dinheiro pode ser diferente do que faço amanhã.

Um bombeiro pode cansar do seu emprego e virar funcionário público, enquanto um advogado pode ficar de saco cheio da vida no escritório e sair pra viajar o mundo fazendo todos os tipos de bico. Posso mudar a minha ocupação, sem mudar quem eu sou ou o que eu quero ser.


Já não ouço mais aquela pergunta, mas se pudesse voltar 10 ou 15 anos no tempo, saberia de uma coisa.

Que eu não quero ser jogador de futebol, porque a carreira acaba aos 30 e poucos e depois? Vou ser o quê? Não quero ser astronauta. Não quero ser médico. Não quero ser advogado. Não quero ser enfermeiro.

Não quero ser definido pela minha profissão, que pode mudar de um dia pro outro.

O que eu quero ser é livre, viver uma vida do meu jeito, sem restrições e limites impostos pelos outros. Quero ter liberdade de ir para onde quiser, sem me sentir amarrado a um lugar ou a certos problemas. Quero tomar minhas próprias decisões e não depender de ninguém.


O que eu quero ser é saudável, me sentir forte física e mentalmente. Quero me alimentar bem, não sentir dores nas costas e sair correndo sem me cansar.

O que eu quero ser é aberto às emoções. Quero sentir medo, ansiedade, frio na barriga, amor, excitação e alegria, mas nunca me sentir apático perante a vida. Quero ficar receoso com o que o futuro reserva, quero sorrir sem motivo quando acordar num dia bom.

O que eu quero ser é alguém que faz o bem sempre que puder. Quero ajudar a natureza catando um papel de bala no chão e jogando no lixo reciclável, fechando a torneira na hora de ensaboar a louça, parando de contribuir para o sofrimento dos animais. Quero parar para o pedestre atravessar, juntar no chão algo que um desconhecido deixou cair, ser alguém de confiança para alguém procurando um ombro.

O que eu quero ser é curioso, nunca deixar de aprender coisas novas. Quero conhecer o máximo que puder do mundo, quero ver outras formas de viver e respeitar aqueles que vivem e pensam diferente de mim. Quero continuar estudando o que me interessa, aprendendo novas habilidades.


E quero ser tudo isso mesmo se um dia não estiver trabalhando, mesmo sem ser nada naquela velha concepção de que você é a sua profissão.

O que eu sou tem a ver comigo, não com o que eu faço.

E você, o que quer ser?


Mentiram para nós. Felicidade não se encontra!

Artigo Anterior

O processo evolutivo de um trabalhador da luz…

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.