ComportamentoO SegredoReflexão

O que te faz querer quem não te quer é a dor e não o amor

o que te faz querer quem não te quer é a dor

Se estás a passar por uma separação é muito importante interiorizar uma questão, o que aconteceu no relacionamento é real, incluindo que a pessoa foi embora. Sim, ela foi embora e é real! E isto não difere muito de tudo o que encontras na vida e na natureza: tudo o que começa tem um fim, tem o seu ciclo e a sua duração.



Porque ficamos presos aos relacionamentos?

Na fase inicial do términus dos meus relacionamentos o foco principal era no que aconteceu, no que poderia ter feito de diferente e na melhor forma de o concertar ou trazer de volta para mim. Isto dava-me entretimento até me cansar.

Numa outra fase, conseguia adquirir alguma objetividade e constatar que mesmo sabendo que aquela pessoa não me trazia o preenchimento que procurava, não a conseguia deixar ir, pois algo me prendia a ela. Eu já sabia que não gostava dela, eu já sabia que tudo aquilo tinha sido uma grande aprendizagem, só não sabia responder ao “para quê?”.


A resposta é muito profunda, pois mesmo que saibamos a um nível consciente que é melhor esquecer, a um nível inconsciente a ligação é outra: é uma ligação à dor.

Por isso, a um nível inconsciente o que nos prende a um relacionamento que não nos preenche ou a uma separação que não conseguimos deixar ir, é a dor. É algo muito mais profundo do que os seus lindos olhos.

A pergunta correta não é como mudamos o que sentimos em relação à pessoa ou como a esquecemos, mas sim: O que ganhamos na ligação à dor?

Secalhar estamos nessa relação porque é mais seguro.


Secalhar a fantasia do que tivemos ou podíamos ter tido é mais confortável do que aquilo que pode acontecer no futuro com outra relação.

Secalhar ganhamos familiaridade com essa dor porque nos habituamos a ela.

Secalhar como já sabemos o que ganhamos com essa pessoa é mais fácil ficar aí.

Seja como for, o que nos liga a uma pessoa que já foi ou que não é a melhor parceria para nós é que nos sentimos muito próxima a ela, porque ainda estamos conectados à dor e às emoções. Ficamos aí porque ainda nos dá uma sensação de controlo, numa situação em que não temos controlo nenhum.


A melhor forma de entrar numa relação é sabendo quem somos, o que nos faz feliz e quais são os nossos requisitos não-negociáveis. Se estamos num ponto em que já atingimos auto-confiança, nos valorizamos e temos auto-estima, conseguimos manter a nossa dignidade intacta e assim o processo corre mais facilmente.

Uma das minhas grandes lições de vida foi ter aprendido que para ter um relacionamento saudável com os outros, tinha que ter primeiro um relacionamento saudável comigo.

Viver uma excelente relação está mais relacionado com o ser a pessoa certa do que encontrar a pessoa certa. Lembra-te disto antes de iniciares um relacionamento amoroso.

 


___

Clarisse Cunhaperfil

Curiosa, questionadora e irrequieta levanta-se todos os dias a pensar no que vai partilhar.

Comunicar com os outros tornou-se na porta de acesso à sua essência. Além de colaborar com O Segredo podes deixar-te inspirar pelas suas palavras no seu site (clarissecunha.com) e instagram (@cunhaclarisse).


O homem que te odeia

Artigo Anterior

O significado da espiral

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.