Bem-Estar e SaúdeO Segredo

O que você faria se não precisasse dormir?

Durmo bem, mas apenas seis horas por noite. Gostaria que fossem mais. Como você é bom de matemática, já fez as contas: se adormeço às 23h, acordo às 5h. Se adormeço às 23h30min, acordo às 5h30min. E o que faz uma pessoa que acorda às 5h30min? Fica tentando dormir um pouco mais e às vezes até consegue uma cochilada extra, mas o corpo e a mente já descansaram o suficiente e querem sair logo da cama para mostrar serviço. Acordar cedo é um hábito saudável, reconheço, mas inclusive nos fins de semana e feriados?



Deixei de reclamar depois que li Sono, do celebrado escritor japonês Haruki Murakami, que entre outros livros escreveu Do que eu falo quando eu falo de corrida. Com sua prosa seca e objetiva, agora ele conta a história de uma mulher que, de uma hora para outra, deixa de dormir. E não sente falta. Está há 17 dias sem pregar o olho e tinindo.

De certa forma, um terceiro turno acordado é tudo o que sonhamos, já que tempo virou artigo de luxo. Não seria uma bênção ter oito horas a mais no dia, todos os dias? Imagine. Oito horas sem tráfego, sem barulho, sem compromissos – e sem fadiga. Oito horas a mais para desenvolver um hobby, para pedalar por ruas vazias, para o sexo, para organizar gavetas, para testar receitas, para ouvir música, para olhar para o teto, oito horas para o que bem entender. Menos dormir.

É possível que, se tivéssemos essas hipotéticas horas suplementares, as gastaríamos nas redes sociais, bisbilhotando o Facebook dos outros, dialogando com outros insones, compartilhando vídeos, fotos e textos que falam por nós. Ou seja, daríamos continuidade ao isolamento a que nos autoimpomos desde que nos viciamos no contato online.


Mas a fictícia personagem de Sono não cai nesta. Usa suas horas noturnas para reler romances que já havia lido anteriormente, mas que não havia prestado atenção. Agora, no silêncio de sua nova condição de zumbi e a fim de se reconectar consigo mesma, ela percebe nuances que nunca havia percebido nas histórias – e, junto, descobre o real sentido da palavra concentração.

Chegaremos a esse ponto de precisar de um terceiro turno insone para nos mantermos despertos para o que verdadeiramente importa? Francamente: não dormir é um pesadelo. Precisamos dormir. O corpo precisa. A mente precisa. Por que será que 16 horas alertas não têm nos bastado?

O livro é de uma simplicidade perturbadora. Termina de forma enigmática e deixa reflexões no ar. De minha parte, fiquei com a sensação de que as pessoas não estão descansando à noite porque não estão se cansando de dia com coisas que valham a pena – apenas cumprem tarefas enfadonhas e à noite se culpam pela maneira como estão desperdiçando seu tempo. O sono profundo talvez seja uma recompensa apenas aos que se esgotam em viver bem.

O sono profundo talvez seja uma recompensa apenas aos que se esgotam em viver bem


 

_____

Fonte: Escrito por Martha Medeiros via Revista Donna


Livre-se da mania de ser infeliz

Artigo Anterior

Esses 18 homens são sérios candidatos a melhores pais do ano

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.