publicidade

“o silêncio está tão repleto de sabedoria e de espírito em potência como o mármore não talhado é rico em escultura.”

Na vida diária estamos expostos ao barulho permanente e nos ajustamos de tal modo, que acreditamos que ficar em silêncio é uma coisa estranha. Em casa ligamos o rádio ou a televisão e no trabalho ou na rua estamos “plugados” no celular e nos ruídos em nossa volta, pois não suportamos ficar em silêncio.



Vamos a locais barulhentos porque a ausência de chiados nos entedia. A gente não se dá conta, mas fugimos do silêncio, com medo da solidão.

Para alguns o silêncio relembra a tristeza e para outros é a agonia da possibilidade de estar perto de pessoas ardilosas, que se aproveitam da calmaria para dar uma “rasteira”.

Vivemos em uma época que briga contra o silêncio. Uma verborragia, que nos impulsiona a falar muito, sobretudo, pelas redes sociais e na “balbúrdia” dos entretenimentos. Assim, impera a negação do silêncio, que significa uma tensão psicológica para armazenar cada vez mais informações e sons, de qualidade duvidosa.

A origem disso encontra-se na conversação ruidosa, que eliminou as formas de diálogo. Nas cidades – já faz parte às rotinas avessas – ao silêncio, que são comandadas pelo caos no trânsito e por diversas fontes de poluição sonora.

Mas, por isso, é necessário entender o silêncio como signo de sabedoria. O silêncio é completo de significados terapêuticos e espirituais.  Quando estamos imersos nele, ouvimos melhor a nós mesmos e entendemos melhor os sinais do mundo.

Além disso, o silêncio é a conexão que nos permite cultivar o nosso espaço interior, onde é possível buscar as respostas para sentido da vida.


O segredo do silêncio é que ele nos permite apreciar uma refeição, degustar os sabores, inspirar o aroma dos perfumes e sentir a formosura emanada da natureza.  O silêncio é a afirmação generosa e singular dos eventos indescritíveis.

A espiritualidade cristã nos indica que o caminho do silêncio é revelador da presença de Deus. O livro de Eclesiastes descreve que temos o tempo de falar e o tempo de silenciar. Segundo o Evangelho de Mateus: Jesus guardava silêncio, no seu julgamento, diante do sumo sacerdote de Israel. O chefe religioso provocava, mas Cristo ficava calado, como forma de resistência contra a opressão.


O budismo afirma que a mente humana deve ser mais temida que cobras venenosas e assaltantes vingadores. Por isso, há o caminho do silêncio, para aquietar as oscilações mentais. Nessas tradições espirituais, o silêncio é momento sagrado de nos recolher em nós mesmos, que nos leva a serenar a mente e o coração, de sentir a suavidade de nos aquietar na presença amorosa do Ser Divino, sem precisar dizer nada.

Enfim, a busca do silêncio potencializa o nosso crescimento mental e espiritual. 

É como disse Aldous Leonard Huxley, o notável escritor britânico: “O silêncio está tão repleto de sabedoria e de espírito em potência como o mármore não talhado é rico em escultura”.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: iakovenko / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.