O tempo todo fechamos ciclos para que um novo possa iniciar. é percurso natural das coisas…

Como lidar com os rompimentos?



O tempo todo fechamos ciclos para quem um novo possa iniciar. Esse é o percurso natural das coisas, um dia acaba para que um novo dia possa nos dar novas oportunidades, novas possibilidades. 

No entanto, viver não é assim tão fácil e também não é assim tão simples fechar ciclos, ainda mais quando não estamos esperando por isso.

Vivemos em tempos em que a paciência é curta, não sabemos lidar com conflitos, os diálogos são insuficientes e facilmente os rompimentos chegam, sem avisar, sem colocar pontos finais, deixando apenas reticências e quem está mais fragilizado(a) acaba sofrendo e muito.

Toda separação (em qualquer nível de nossas vidas) gera uma centena de conflitos internos, gera uma centena de questionamentos e autocobranças, além de deixar os sentimentos à flor-da-pele e, muitas vezes, sem controle.


Podem falar o que quiser, no entanto, cada pessoa sofre no limiar das suas emoções e para muitas, podem ser brutais. No entanto, apesar das inúmeras dificuldades em lidar com rompimentos, dividir as tristezas pode ser o melhor “remédio” para ajudar a reagir melhor em situações assim.

Diante disso, darei a seguir algumas dicas de maneiras saudáveis para lidar com um rompimento:

Não negue sua dor

Fugir das dores e negar as emoções não é o melhor a se fazer. Nós somos dinâmicos e no dinamismo de nossas emoções, podemos “maquiá-la” em dado momento, no entanto, ela vai eclodir em um outro, podendo vir ainda mais “potente” tal como uma pressão de uma panela pronta a explodir. Sendo assim, sinta os seus sentimentos, viva as suas emoções ao máximo (se for preciso chore – e não há problema nenhum nisso) para que assim, você tenha maior autonomia de processar o que está passando. Durante um rompimento é natural sentimentos de posse e obsessão, sendo assim, tendo consciência disso, você pode até se sentir louco(a), mas, se aceitar que esse processo é natural e se isso não prejudicá-lo(a) e nem prejudicar o outro, você terá um controle maior da ansiedade e isso o(a) ajudará.



Evite bebidas alcoólicas e/ou outros entorpecentes

Ficar em estado de letargia em momentos dolorosos só vai deixá-lo(a) ainda mais sem o controle das emoções e da situação. Sem contar que, para se livrar da sensação de dor, sempre terá que aumentar as doses de álcool uma vez que sabemos que o organismo vai se adaptando à quantidade e, sem perceber, poderá sinalizar em algum instante o alcoolismo, e aquilo que era um problema apenas, se tornará um problema ainda maior. Além do que, estudos recentes da Psicologia têm mostrado uma forte ligação entre o uso de álcool e depressão. Esteja em alerta.


Atenção com a alimentação

Cuidado com a “dieta da solidão”. É natural que, ao estarmos muito entristecidos com alguma situação, nosso apetite naturalmente diminui. No entanto, tendo consciência disso, faça uma força para se alimentar com nutrientes necessários para que você tenha a energia que precisa para se reerguer. Agora, fique atento(a) também para que o efeito rebote não aconteça e você se enfie em carboidratos podendo prejudicar a sua saúde por conta dos excessos. Busque o equilíbrio nessa “balança”.


Ligue para os amigos

Aproveite esse momento que você está mais sensível e estreite os seus laços de amizade. Busque se reaproximar mais daqueles amigos que há um tempo você não vê, não conversa ou não teve a oportunidade de estar próximo(a), no entanto, fique atento(a) para não sobrecarregar apenas um amigo com as suas dores. A chave aqui é construir um amplo sistema de apoio para si mesmo(a), a fim de protegê-lo(a) e promover uma boa saúde emocional. Esse processo pode incluir amigos, familiares e até mesmo uma ajuda especializada (terapeuta) caso você sinta necessidade.


Não se esqueça do seu valor

Lembre-se que você não é definido(a) pelo rompimento e que você teve muitas conquistas e realizações até aqui. Um exercício interessante que você pode fazer é conversar com vários amigos e membros da família e pedir para que eles lhe digam o que mais gostam em você (se quiser, pode fazer uma caixinha e peça para que escrevam em um papel anônimo para você, depois de todos terem colocado, abra a caixinha e verá talentos que nem mesmo você tinha se dado conta).


Aprecie coisas novas

Nos estágios iniciais após o rompimento, é natural que você esteja se sentindo inseguro(a), sendo assim, vá com calma. Quando estiver se sentindo firmemente no caminho da recuperação, tente coisas novas para ter mais confiança. Faça uma lista de coisas que você jamais pensaria fazer e arrisque-se mais.


Faça atividades físicas

É incontestável e a ciência nos prova que atividade física ajuda a liberar substâncias químicas ligadas ao bem-estar. Se você sente que tem raiva e que precisa liberá-la, tente atividades mais “brutas” tal como o boxe ou kickboxing, isso trará a liberação de emoções pesadas. Agora, se está procurando algo mais tranqüilo, positivo e que te eleve, experimente uma aula de dança. Se está em busca de algo mais suave e relaxante, opte pelo yoga e pela meditação.

Sei que cada pessoa é única em seu processo de individuação e também sei que cada pessoa lida de forma diferente frente aos obstáculos da vida.

Nesse simples artigo e as dicas aqui expostas, minha ideia central era mostrar para você que é sim possível passarmos por processos de rompimento de modo muito mais equilibrado e saudável. Espero que tenha lhe ajudado de alguma forma e você pode também ajudar outras pessoas curtindo e compartilhando esse artigo.

Caso necessite de um olhar mais atento e profissional, conte comigo!

Beijo grande no coração! Namastê!

Tarólogo Diego
______

Direitos autorais da imagem de capa: nejron / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.