O único problema entre nós é que eu sei o que não quero.

Aposto que você já encontrou uma pessoa muito legal e seus olhos brilharam, era divertido quando estavam juntos, você dava risada e era algo realmente agradável, mas entre discursos dessa outra pessoa, sua visão de vida, de mundo e de futuro algo apertava seu coração e depositava uma grande incerteza em sua mente.



Com o passar dos dias os encontros continuavam sendo bons, os momentos juntos eram legais, mas o incomodo ainda estava ali, presente e constante, como uma pulga atrás da orelha.

Até o dia em que você põe um ponto final e sai daquilo perguntando a si mesmo  se fez o certo, ou se um dia pode se arrepender dessa escolha, mas, estranhamente, sente-se aliviado que a pessoa tenha tantas coisas legais que você busca em um relacionamento e, muitas vezes, não consegue entender o porquê fez essa opção.

Questão do dia: Você já se perguntou o que não quer para você?

Porque constantemente afirmamos o que queremos, quais são as coisas que buscamos em alguém, e quando falamos em relacionamentos, normalmente, o que as pessoas buscam são coisas bem parecidas como: carinho, atenção, reciprocidade, etc…


São coisas descritas em linhas mais gerais, conceitos mais subjetivos e abertos, mas porque, às vezes, encontramos ou mesmo oferecemos todas essas coisas para alguém e o relacionamento simplesmente não vai para frente?

Desculpe-me contar, você tem coisas legais que o outro procura, mas você pode ter coisas ainda mais impactantes que ele não quer, e o mesmo pode acontecer com você, pode ter encontrado alguém que lhe ofereça essas coisas boas, mas que tenha algo negativo que para você é mais forte que todas as coisas boas juntas!

Entenda que saber o que você não quer é tão poderoso e decisivo em uma relação quanto saber o que se quer.

Vou usar um exemplo pessoal: quando eu tinha 19 anos, envolvi-me em um relacionamento à distância que durou um bom tempo e trouxe muitas coisas positivas para minha vida, mas hoje, muitos anos depois, eu não me envolveria em algo assim novamente. Foi uma escolha que eu fiz, baseada na minha experiência e na forma como isso foi para mim.


Eu convido você a refletir sobre seus antigos relacionamentos, analisando, cuidadosamente,  as coisas que aconteceram nele e perguntar-se: “Quais dessas coisas eu não quero pra mim? O que eu não estou disposto a passar novamente? Como eu vejo minha vida hoje e como eu a quero no futuro?”.

Quando falamos de relacionamentos, consideramos tudo de forma muito subjetiva, como: “Eu não quero alguém que me trate mal”, “Eu não quero alguém que seja infiel”.

Não é disso que estou falando, essas coisas são óbvias, falo sobre coisas mais reais e mais objetivas, coisas relacionadas aos seus objetivos de vida e visão de mundo, por exemplo: Você vive em São Paulo, tem uma carreira estável, ama a cidade grande e seu estilo de vida. De repente, conhece alguém legal, mas essa pessoa tem o plano de em breve mudar-se para uma cidade litorânea de 20 mil habitantes, para viver perto da natureza e ter uma vida pacata. Ou o contrário, você sonha em viajar pelo mundo, viver como um mochileiro e conhecer o maior número de países possíveis, e conhece alguém legal, mas que o objetivo de vida é ser o presidente de uma grande multinacional, com uma carreira sólida, e que sabe que ele não abriria mão disso para viver essa aventura com você. Então, eu pergunto a você: Você quer isso?

Observe seus objetivos de vida, seus sonhos, suas metas, seu estilo de vida e pergunte-se quantas dessas coisas são imprescindíveis para você? O que você estaria disposto a abrir mão para ficar com alguém? E o que para você é simplesmente essencial?

Quando responder a essas perguntas, você saberá o que não quer para você.

______________

Direitos autorais da imagem de capa: lovegtrv6 / 123RF Imagens

 

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.