ColunistasReflexãoRelacionamentos

Onde estão as pessoas interessantes?

PESSOASINTERESSANTES


Muitas vezes a gente se pergunta porque com tantas pessoas no mundo não encontramos aquele alguém especial que queira algo sério. Alguém que queira dividir não apenas um drink na balada ou uma cama de motel e sim uma xícara de café e a bisnaguinha com requeijão no café da manhã, ou quem sabe, a preguiça de domingo, o não-fazer-nada fazendo tudo.


E nos perguntamos aonde está o problema e se o infernos somos nós ou os outros que não percebem o quanto somos “f*d*s”. São tantas as dúvidas que acabamos por nos questionar se as pessoas interessantes estão realmente em extinção.

Por onde andam as pessoas interessantes? No meio de tanta gente, onde é que elas estão? Todo mundo se pergunta… Esse é quase um grito ensurdecedor de uma geração que se vê perdida em tantas opções e presa a uma tela de smartphone, acreditando que as pessoas interessantes vão surgir através de um match no Tinder e não através de uma boa conversa olhando no olho. Não que seja impossível encontrar alguém interessante em um aplicativo de encontros, mas deixamos de nos encantar com pequenas coisas que vão muito além da superficialidade uma foto bem editada no perfil de alguém.  A nossa vida já é tão corrida, temos que nos dividir entre trabalho, faculdade, família e amigos, aluguel e contas pra pagar… será que sobra mesmo tempo e espaço para um amor com sabor de fruta mordida em nossa rotina frenética? Será que queremos e estamos realmente preparados para as alegrias e as dores que vem junto com um relacionamento?

A verdade é que temos medo de desligar os nossos aparelhos ­ que já são quase uma extensão do corpo para ­ olhar ao redor e um grande receio de ir além e interferir na rotina de alguém que talvez também não esteja preparado para nos receber.  Temos medo de nos dar uma chance para encontrar alguém assim, por acaso, na fila do banco ou no corredor do supermercado. Nós estamos sempre tão ocupados que não percebemos quando uma boa oportunidade de conhecer alguém surge porque estamos sempre na seção de congelados, enquanto nosso possível futuro amor pode estar na seção de orgânicos.

Não estou dizendo para você ser tão radical assim, mas entende como faz uma diferença enorme mudar de ares? A verdade é que temos medo de trocar o disco, de mudar a nossa rotina e nos forçar a dar um chacoalhão na vida pra ver se algo muda. A rotina é como acordar cedo em uma segunda-­feira gelada, é como um cobertor confortável demais para conserguirmos nos livrar. Então seguimos assim nesse ritual de todos os dias com metrôs e trens lotados, como robôs que não olham para o lado.


As pessoas interessantes estão em todos os lugares, basta que estejamos atentos o suficiente para percebê-­los e abertos o bastante para vivenciá- ­los. Lembre-­se: O amor pode até vir para os distraídos, mas você não vai conseguir notar sua presença se estiver grudado no celular, a menos que ele tropece em você e até consiga resistir àquela vontade de mandar para aquele lugar. Já pensou em fazer uma visitinha na seção de orgânicos?

Quem sabe você esbarra no seu futuro amor por lá…


Você quer ser feliz ou só mudar o seu status de relacionamento?

Artigo Anterior

Ciência explica porque reclamar altera negativamente seu cérebro:

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.