publicidade

Opte pelo silêncio frente ao barulho, pelo amor frente ao desamor, pela gratidão frente a reclamação!

Mas afinal, o que é ser feliz?



Esta é uma pergunta que não quer calar nos últimos tempos.

Nós,  seres humanos, aprendemos a falar, criamos línguas, métodos de comunicação, aprendermos a caçar, a cozinhar. Criamos civilizações.

Exploramos a ciência, criamos a tecnologia e descobrimos até mesmo o poder dos átomos.

Criamos a bomba atômica.


Conquistamos vários mundos viajando rapidamente de um país ao outro e de repente, num piscar de olhos (ou melhor, em alguns cliques) estamos dentro da casa de um ente querido do outro lado do mundo pelo Skype.

A nossa humanidade evolui, e muito, a sua vida na terra, e ultimamente temos falado muito em felicidade.


Seria a tecnologia a vilã da nossa infelicidade? Ou seria então a correria do dia a dia?

Independente da resposta que ecoe mais alto no seu coração, quero deixar com você uma pequena reflexão: como é mesmo ser feliz?

Acredito que para respondermos esta pergunta, precisamos responder algumas outras antes: Quem sou eu? Porque eu nasci? Quais são os meus dons e meus talentos?

O Eu, que tem um nome, uma profissão, uma história não é o seu Eu superior.

O porque você nasceu, se você imagina que foi obra do acaso, também não é uma resposta da sua verdadeira identidade.

Os seus dons e seus talentos são a forma que você expressa o amor no mundo. São as formas únicas que só você sabe amar. É  forma que você planejou para expressar o Divino através de você antes de embarcar nesta viagem chamada vida terrena.

Se engana quem pensa que a felicidade está nos bens materiais.

Quando giramos a chave da nossa consciência, a de que nós somos seres espirituais vivendo num corpo físico, e não o contrário, damos início ao belo processo de descoberta e exploração da nossa felicidade.

A vida faz mais sentido quando frente a um problema, temos a consciência que podemos transformá-lo em uma oportunidade de crescimento, ou então, quando temos uma grande alegria, percebemos que foi fruto de um crescimento interno.

O seu mundo exterior muda, quando você muda o seu mundo interior. Isso é felicidade.

Tenho praticado colocar em minha mente, a cada vez que algo que poderia me “tirar do sério” acontece, os seguintes questionamentos: por que isso esta acontecendo? Qual aprendizado devo tirar desta situação? O meu stress neste momento vai resolver esta situação?  Que atitudes no passado eu tomei que me trouxeram para este resultado?

Por muitas vezes insistimos em culpar o outro, ou algum acontecimento externo pelo nosso sofrimento.

Isso é normal pois é a nossa auto defesa.  Temos esta incrível mania de querermos ficar “bem na fita” com a gente mesmo, pelo simples medo de não sermos amados.

Assumir a responsabilidade de absolutamente todos os acontecimentos da vida traz paz.

A felicidade é uma emoção, e emoções são passageiras. A plenitude contudo,  é um estado de espirito, alcançado pelos corajosos que não culpam o ambiente externo pelo seu caos interno.

Lembre-se todos os dias que o seu objetivo é levar “para o lado de lá” depois que você morrer, uma bagagem cheia de aprendizados, colaboração, amor e desenvolvimento moral.

Procure seguir o seu Eu superior, conhecendo suas paixões, seus dons, e o que faz o seu coração vibrar.

Faça mais do que te faz feliz. Experimente também o novo. A gente só sabe o que realmente gosta quando temos várias experiências anteriores para sentirmos o que faz o nosso coração bater mais forte.

Lembre-se que o que te diferencia dos outros seres vivos na terra é a sua capacidade de amar conscientemente. Escolha amar. Escolha o amor.
Opte pelo diálogo frente à discussão.

Opte pelo silêncio frente ao barulho.

Opte pelo amor frente ao desamor.

Opte pela gratidão ao invés da reclamação.

A sua felicidade será constante quando estiver no caminho da sua alma. É assim que encontrei minha plenitude.

Namastê!

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.