3min. de leitura

Os espinhos

Na Era do Gelo, vários animais morriam devido ao frio intenso.



Então os porcos-espinhos, ao observar esta condição decidiram se unir em grupos e desta forma se aqueciam e se amparavam reciprocamente.

Entretanto, os espinhos de cada um deles machucavam os parceiros mais próximos, exatamente os que os esquentavam. Desta maneira, distanciavam-se uns dos outros e novamente faleciam congelados. Eles necessitavam urgentemente fazer uma opção: se continuassem não aquecendo uns aos outros sua espécie desapareceria deste planeta ou se teriam tolerância com os espinhos dos outros e conseguir sobreviver àquele obstáculo da seleção da natureza.
Eles, os porcos-espinhos, optaram sabiamente a ficar todos juntos e se aquecerem aprendendo com esse grande desafio a conviver com os pequenos machucados (mágoas) que uma ligação tão próxima poderia criar, pois o essencial era o apoio e o aconchego do companheiro em tempos difíceis.

Quando ouvi esta parábola, achei muito interessante porque nós humanos estamos aqui neste planeta para desenvolvermos várias qualidades como aprimorar o sentimento de amor para ser cada vez mais fraternal. E dentro do mesmo tema – a tolerância- para que possamos conviver melhor com os nossos companheiros de jornada.


Além dessas qualidades da alma também precisamos desenvolver cada vez mais o perdão porque ele nos liberta dos rancores, dos desejos de vingança, das mágoas profundas e assim, nos deixa com paz interior abertos a dar e receber amor. Todas elas (amor, tolerância, perdão) transformam positivamente nossas vidas, mas é necessário que busquemos trabalhar internamente para que esses sentimentos possam fazer seus milagres.

Acabo contando essa estória para meus clientes de Acupuntura com Astrologia, Terapia Fitoenergética, Terapia de Integração Craniossacral e Tarot Terapêutico para passar a mensagem de buscar o aprendizado nos vários tipos de relacionamentos que temos na vida.

Paz e Luz em seus corações!


Por Lucia Kawakami

Você sabia que O Segredo está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.