ColunistasEspiritualidade

Os meus encontros com Deus…

OS MEUS ENCONTROS COM DEUS capa e dentro

Ai de mim, se o acaso não me tivesse propiciado os meus encontros com Deus! Nunca, mas nunca a minha razão e sapiência me teriam valido. E sabem? Nesses encontros tudo se desmancha e tudo se desprende no ar… é uma autêntica obra musical.



Sim, um Bolero de Ravel, com um ritmo invariável, uma melodia uniforme, onde as mudanças são dadas com o efeito de crescendo e mudança. Que orquestração! Que dinâmica! O Maestro… O Maestro é prodigioso, faz-me sentir e emergir em cada vibração, cada sonoridade profunda, que nem eu sabia que era tão exímia em notas musicais.

Quantas lágrimas, quantas… lancei em decorrência da desesperança e da minha dor. Quantas ocasiões, sangrei das chagas provocadas pelo calejado do meu caminhar. Foram tantos os momentos e tantas as lágrimas, que se espelhavam de forma imperfeita e sacrificavam o meu espirito. Só olhava para o espelho, aquele espelho tosco que distorcia a minha existência e a minha consciência.

Ai de mim, se o acaso não me tivesse propiciado os meus encontros com Deus! Aprendi a quietude, a serenidade e a mudança. Descobri a sossegar a vida e a não comover o que nos faz sofrer.


Agora todos os dias lavo a minha alma, e trago para a minha intimidade as purezas da vida. Aprendi que as minhas reflexões são preciosas orações que resistem no tempo. O Maestro…

Esse, Meu Afetuoso, Dedicado e Aliado, apresentou-me uma proposta de milagre que eu soube descobrir e aprender. Fez de mim um exímio músico de orquestra, da Orquestra da Vida.

Dina Neiva


Viva no presente! a vida é uma só! Você pode e deve se jogar!

Artigo Anterior

Não, não foi uma lenda, não foi um sonho, foi amor!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.