Os milagres acontecem em nossas vidas quando aprendemos a lidar com nós mesmos, com nossos medos e vazios



Saudade: o milagre SEMPRE acontece!  

Quando vivemos uma experiência linda, profunda e transformadora com algo ou alguém, é natural sentirmos saudades depois que tudo passou.

Como aperta o coração quando sentimos essa saudade, não é mesmo?!

Natural! Ocorre que, em muitos casos, não percebemos que não necessariamente estamos sentindo saudade do que passou, mas de como nos sentíamos COM aquela pessoa, ou O QUE aquela pessoa nos fazia sentir. Isso vale também para um emprego, uma experiência.

É importante entender que aquela experiência ou pessoa o fez acessar sensações e sentimentos que já existiam DENTRO de você, ou seja, é possível acessá-los sempre que desejar, sem a necessidade de um estímulo externo.

Muitas vezes, temos saudade de uma história que contamos para nós mesmos. Contar-lhe-ei uma rápida passagem minha: 

Há alguns anos, vivi um namoro relâmpago. Sofri muito com o término dessa relação. Com o tempo, percebi que eu sofria com a história que EU MESMA criei daquela relação, desde a imagem que FANTASIEI da pessoa com quem me relacionava, até viagens e experiências que passaríamos juntos. Criei tudo isso sozinha! Toda vez que me lembrava que essa pessoa não estava mais na minha vida, lembrava também das histórias que EU CRIEI. Na verdade, nada daquilo tinha acontecido, mas a sensação de algo tirado de mim era grande.

Hoje, quando me recordo desse episódio e de todas as vezes em que imaginei situações, percebo a quantidade de sofrimento que eu mesma coloquei em minha vida, por fantasiar tantos sonhos em cima de algo ou alguém que não pudesse oferecer isso.

É fundamental identificar do que de fato você sente saudade. Dessa forma, você cultiva amorosidade e respeito próprios. 

Voltando…

Nem sempre a saudade é de histórias/fantasias criadas. É natural sentir saudade de algo que realmente aconteceu. A grande sacada aqui, voltando para a ideia inicial, é observar o que de fato, causa a saudade: da pessoa/experiência, ou de como você se sentia com essa pessoa/experiência?

Agora vem o grande segredo da coisa: depois que vivemos uma experiência muito linda com algo ou alguém, inconscientemente optamos por viver dois caminhos: 

O primeiro caminho é pegar toda essa experiência e usá-la para se machucar, projetando para o futuro uma falta, com o pensamento de que “nunca mais viverei algo parecido”. Esse pensamento de falta e de medo o faz vibrar na escassez, além de não ajudar em nada no seu processo de cura, e limitar você quanto a encontrar novos caminhos e aprendizados com a experiência vivida.

Amigos meus foram demitidos da empresa em que trabalhávamos. Alguns deles até hoje sofrem com essa ruptura, mal conseguiram seguir suas carreiras. Muitos acreditam que nunca mais trabalharão numa empresa como aquela, dessa forma vibram na escassez, na perda e na falta, resultando em um olhar muito sofrido para a experiência passada. Trata-se de um caminho viciado, onde você dá voltas no quarteirão e retorna sempre ao mesmo lugar.

Mas qual o segundo caminho?! 

O segundo caminho é de um grandioso aprendizado, mas você precisa abrir seu coração para isso. É o caminho do amor e da frequência na abundância, que abre sua percepção para novas possibilidades.

Como?

Coloque a mão em seu coração. Agradeça a experiência vivida, pois foi só o começo de muitas coisas boas que ainda estão por vir. Entenda que você viveu essa experiência maravilhosa, lembre-se das sensações que você teve. Você é merecedor de cada sensação vivida.

É comum acreditar que a experiência foi única, que nunca mais viverá isso novamente. E isso é VERDADE! Todas as experiências e pessoas em nossas vidas são ÚNICAS.



Sempre que algo acontecer, lembre-se das duas opções acima: vibrar na falta – “nunca mais me sentirei assim”, ou na abundância: “gratidão por essa experiência, reconheço o quanto sou merecedor de viver isso e muito mais”.

Conecte-se à abundância e mais experiências especiais chegarão a você.

Quando você percebe que está vivendo uma experiência única, você está contemplando o presente, sem a ansiedade do futuro ou culpa do passado. Dessa forma, você tem o poder de se desapegar das coisas como foram, entendendo que elas precisavam ser daquele jeito, e que você aprendeu muito. Consegue também parar de criar uma história sobre o futuro.

Abra-se para uma experiência única. Faça as pazes com o tempo, tenha paciência com o tempo. Você não está sozinho, o universo inteiro está com você. 

O término de uma relação, a saída daquele emprego, ou qualquer experiência ou pessoa que tenha passado em sua vida e deixaram em você a sensação de vazio. Observe bem essa sensação e aprenda a lidar com ela.

Antes de algo novo e maravilhoso acontecer, você precisará lidar com o vazio que o anterior lhe trouxe.

Os milagres acontecem em nossas vidas quando aprendemos a lidar com nós mesmos, com nossos medos e fantasmas, com nosso vazio. 

Para que eu receba algo novo, algo melhor, preciso me acostumar a ficar sem até que uma coisa nova aconteça. O milagre SEMPRE acontece!

Pulse paciência, a ciência de ficar em paz. Quanto mais você fica em paz, mais você eleva sua frequência, mais esse processo milagroso acontece em sua vida.

Convido-o a olhar para todos os momentos e pessoas que o remetem saudade, a recolher seus aprendizados, observar tudo que existia naquele momento e tudo que também pertencia a você. Trata-se de um exercício valiosíssimo para ajudá-lo a reconhecer forças e qualidades que foram esquecidas.

Desejo uma ótima meditação!

Conte-me um pouco da sua história, como você lida com a saudade, e se precisar de ajuda em sua jornada, conte comigo.

Com amor, graça e leveza,

Queli.

Nota: A ideia desse texto não é olhar para as possíveis promessas e/ou histórias que outra pessoa fez/contou, mas somente trabalhar com as sensações que ficaram. Em outra oportunidade, discutiremos essas relações onde o outro projeta suas fantasias e histórias em nossa vida, combinado?!


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: kesu87 / 123RF Imagens






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.