Os quatro compromissos – Um caminho de amorosidade e autoconhecimento



Daqui um mês completo 30 anos, a ansiedade deu lugar a paz. Muito provavelmente pelo caminho de estudos e autoconhecimento que decidi seguir. Finalmente eu consegui me abraçar de verdade, sabe?

Mesmo quando os obstáculos insistem em aparecer – e eles farão isso sempre, eu simplesmente me abraço e penso, “vai ficar tudo bem”. Sempre fica.

Antes, eu provavelmente culparia algum fator externo pelo obstáculo e me culparia logo em seguida. Pegaria o chicote da vida e ficaria me batendo, batendo, batendo, como se aquilo fosse culpa minha, e de verdade, não existem culpados. A gente adora jogar a culpa em alguma coisa, ao invés de encarar tudo como realmente é.

Não é fácil abraçar nossas piores sombras, mas é necessário. Acredita em mim, você vai se tornar uma pessoa melhor com você mesma. Todas nós temos uma garotinha medrosa, mimada e egocêntrica na nossa cabeça. Ela tagarela pra caramba e nos leva ao limite, deixando-nos exaustas, porque quer atenção o tempo todo. Sabe o que ela quer de verdade? Ser silenciada com um abraço. Não é brigar, não é gritar, não é colocar de castigo, é simplesmente abraçar e tratar com amor. Ela é uma parte de você.

E foi nesse caminho de abraços, amorosidade e autoconhecimento que cheguei a Don Miguel Ruiz e o seu fantástico livro, “Os quatro compromissos”. Tudo fez ainda mais sentido!

Os quatro compromissos vieram para a minha vida de maneira significativa. São eles:

  • Seja impecável com a sua palavra.
  • Não leve nada para o lado pessoal.
  • Não tire conclusões.
  • Sempre dê o melhor de si.

Os compromissos foram listados pelo povo toltecas, e no livro, Don Miguel, explica cada um deles de maneira impecável e coerente.

Não é religião, não é energia, é uma nova maneira de encarar a vida. E isso não significa que se comprometer a viver esses compromissos o fará mais ou menos feliz, a única certeza que posso lhe dar é que você será melhor para os outros e automaticamente para você.

Sobre ser impecável com a sua palavra. Você deve imaginar que palavras têm poder e não devem ser usadas de maneira leviana. Quando somos verdadeiros com as nossas palavras, somos, também, verdadeiros com os outros e nós mesmos. Diga somente aquilo que acredita e canalize suas melhores energias para isso. Não gaste tempo e pensamentos com palavras negativas ou julgamentos.

Sobre não levar nada para o lado pessoal. O julgamento do outro não é necessariamente para você. Não se você conseguir enxergar o outro numa relação de espelhos, ou seja, quando alguém fala de você, está expondo não você, mas ele mesmo. Assimilando isso você provavelmente se tornará imune a opiniões alheias.




Sobre não tirar conclusões. Aprenda a não projetar suas expectativas e vontades através de conclusões. Nenhuma verdade é absoluta. A energia se movimenta, muda. Ser transparente e claro com você mesmo – e com os outros – em todas as escolhas, faz sua vida ser mais simples, menos nebulosa ou cheia de mal-entendidos.


Sobre dar o melhor de si. Esteja presente de verdade em tudo que se propuser a fazer, do café ao relatório. Absolutamente tudo. Pode parecer insignificante num primeiro momento, mas dar o melhor de si é gratificante. No final de cada dia você vai querer ser ainda melhor.

Quando me comprometi em viver um dia por vez de maneira única, dentro desses quatro compromissos, percebi que a paz que a gente tanto procura está nas escolhas diárias que fazemos.

Você pode escolher entre a guerra interna ou o abraço. E vou lhe dizer com toda a sinceridade do mundo: nunca foi tão bom me abraçar e encontrar a minha maneira de ficar em paz.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123rf / Imagens






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.