Notícias

“Osso é vendido e não dado”: alta no preço da carne bovina reduz consumo em Florianópolis

osso e

Além de pesar no orçamento, o aumento recorrente do preço da carne bovina alterou o hábito de consumo dos moradores de Florianópolis e trouxe insegurança para pequenos comerciantes.



Segundo Ari dos Santos, que há 20 anos possuiu um mercado e açougue na capital, a procura pelo item diminuiu 50% nos últimos meses.

Helo Santos, de 60 anos, é uma das consumidoras que parou de comprar o item durante a pandemia e agora o substitui por ovos, peixe e legumes ou verduras. Em 2020, o consumo de carne bovina entre brasileiros caiu para o nível mais baixo em 25 anos.

“Não como mais carne de gado, não. Não tem como, está tudo muito caro”, comenta. Em 2020, cada brasileiro consumiu 26,4 quilos da proteína ao ano, o que significa uma queda de quase 14% em relação a 2019. Este foi o menor nível desde 1996, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Não há dados estaduais.


“Desde a pandemia, caiu muito o movimento. As pessoas não estão mais comprando a carne aqui”, conta Ari dos Santos, que agora busca alternativas para aumentar a arrecadação em seu mercado.

Segundo ele, a procura por ossos de boi começou a aumentar há cerca de um ano e uma placa com o preço do produto foi colocada no local. “Sempre vendi, mas aumentou”, diz. “Quando vem uma pessoa necessitada, eu ainda faço a doação”, explica.

Aumento

O valor da cesta básica na Capital também aumentou na pandemia. Em agosto deste ano, o custo chegou a R$ 659 conforme o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Na lista, a carne é o produto mais caro, com aumento de 30,5% nos últimos 12 meses.


O item representou 43% do total da cesta básica, que é elaborada com seis quilos de carne de primeira linha, média prevista para suprir as necessidades calóricas de um adulto, segundo o órgão. No ano, todos os produtos tiveram aumento.

Hercílio Fernandes Neto, coordenador do Índice de Custo de Vida (ICV) da Universidade Estadual de Santa Catarina (Udesc), explica que o aumento, em especial da carne, ocorre, entre outros fatores, por conta do aumento no preço dos insumos de produção pecuária e desvalorização do real.

Além disso, com o aumento das exportações pelos produtores brasileiros, ficou menor a oferta de grãos no mercado interno, o que elevou o custo de produção pecuária.

“O preço dos insumos para a criação do gado, do suíno, também aumentou. Mercadorias aumentaram o valor de exportação. Também, a soja subiu muito no mercado internacional. Isso fez com que suba no externo e no interno”, diz Fernandes Neto.


Maria Alves, que trabalha em Florianópolis, sente o aumento da cesta básica diariamente. A vendedora de meias explica que a carne, por exemplo, é exceção nas refeições há bastante tempo. Apenas em datas especiais, como natal, festas, ou marmitas que compra com valor mais acessível, ela está presente.

De acordo com a pesquisa do Dieese, com o preço da cesta básica atual na cidade, o salário mínimo ideal deveria ser de R$5.583,90, ou 5,08 vezes o mínimo vigente atualmente, que é de R$1.100. “Sempre foi caro para mim, eu só como [carne] na marmita às vezes, em casa não, é muito caro”, diz.

Ex-gari, advogada entra para Comissão de Direitos Humanos da OAB

Artigo Anterior

Cães passam por cirurgia após comerem salsichas com anzóis

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.