4min. de leitura

Ouvi dizer que tudo que é verdadeiro volta, tão leve quanto veio… então, eu esperei

Você pode ser pérola ou só mais um.    

Algumas pessoas falam que eu não sei amar, que seria impossível, pela forma racional que lido com os sentimentos ou por não me jogar de cabeça. Na verdade, mal sabem elas o que eu sinto por você.



E quando me perguntam se amei, respondo que não, vai que mais pessoas descubram o quão maravilhoso é, e você demore mais ainda.

Acham que não escuto bem, mas não sabem que escutaria a batida do seu coração a milhares de quilômetros de mim.

Falam que eu vivo no mundo da lua, mas na verdade é no mundo das lembranças, de quando eu escutava a sua voz, desde um bom dia até uma piada boba. Voz essa que me perturba todas as noites.


A pergunta mais comum é se me arrependo. Eu digo que não, eu nunca senti o que sinto por você. Doeu, mas me ensinou coisas tão boas! Eu queria poder lhe falar. 

Sobre as lágrimas falo que um dia vão secar. E as lembranças que um dia vão se apagar. O amor o tempo um dia vai levar. E tudo que vai restar, é uma vaga lembrança do sentimento que me fazia perder o ar, e nesse dia vou conseguir respirar.

O que eu sei é que fiquei muito tempo esperando você voltar, e então, eu soltei, não por falta de amor, mas por que aquele laço do destino já apertava demais, dói mais do que essa dor que sinto por vê-lo longe.

Eu ouvi dizer que tudo que é verdadeiro volta, tão leve quanto veio, sem machucar, sem dores ou lembranças. Então, eu esperei.


Primeiro eu o vi cada vez mais distante, então pouco tempo depois da sua partida, entrelaçou-se com outro alguém a vagar. Eu não conseguia mais vê-lo, e aos poucos foi saindo do meu campo de visão.

Eu sentei e esperei mais um pouco, eu chorei, porque sempre que via o menor detalhe que fosse no céu, pensava que poderia ser você voltando, mas não era e isso doía .

Um dia me falaram: Seu balão caiu bem longe daqui, dizem que no caminho encontrou outro balão e juntos afundaram. A princípio, foi bonito, pareciam dois golfinhos no oceano, mas depois afundaram cada vez mais fundo e ninguém mais teve notícias.

Pensei em mandar-lhe um bote salva-vidas, mas foi isso que eu sempre fiz, resgatei-o das quedas, e quando estabilizava, voltava a voar, nunca queria ficar, tornava a voar e caia junto com outro alguém, e eu sempre o acolhia ferido, apesar de estar ferida também. Eu chorei mais umas lágrimas, a última delas.

Apesar de lindos, alguns contos não terminam com o “ felizes para sempre”. Levantei, olhei minha mão já cicatrizada e prometi a ela: nada mais vai apertá-la. Então, eu sai de onde anos eu esperei.

Às vezes dói, olho para o céu e só vejo estrelas, resolvi amá-las e me tornei livre como elas.

Às vezes, me perguntam de você, digo que virou um grão no oceano. Talvez tenha sorte de torna-se pérola. Mas enquanto isso é apenas mais um e bilhões de grãos, desses que o vento leva sem direção.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123rf / u4ftol

Você sabia que O Segredo está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.



Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.