publicidade

Paciência para fazer as coisas acontecerem…

Em geral, somos bons em fazer pelo menos uma coisa, e às vezes, somos bons em fazer diversas coisas. A questão que surge, então, é: por que não somos bons em fazer nada? Um dos conceitos fundamentais do Taoísmo, Wu wei, aborda exatamente esta ação não-ação, ou, como é geralmente traduzido: ação sem ação. De certo modo, a paciência é wu wei, a paciência está nas coisas que não podemos fazer, está naquilo que nós não fazemos.



É muito comum ouvir as pessoas dizerem que vão fazer retiro neste mosteiro ou vão para tal país em busca da paz interior. Mas uma vez que a paciência está relacionada (exatamente) com o fato de não podermos mudar algo, de não termos condições de mudar aquela situação ou ambiente, por que é que não podemos encontrar a paz aqui e agora? Vamos tentar entender os conceitos da não-ação e conhecer as características da paciência, para podermos encontrá-la, cultivá-la e multiplicá-la.

Em primeiro lugar: você não vai encontrar a paciência no mosteiro no alto da montanha, isolado de tudo e de todos. Quer dizer, você até encontrará a paz lá, mas é até um tanto óbvio que sim, já que lá não há buzinas, crianças chorando 24 horas por dia, tratores, marteladas, trânsito, empurra-empurra, etc. Ter paciência num mosteiro silencioso e isolado é como usar guarda-chuva em ambientes fechados. Nós precisamos da paciência em meio à sociedade, assim como nós precisamos do guarda-chuva em dias chuvosos (e na rua).

paciencia-foto-01

A própria palavra, paciência, vem do Latim pati, aguentar, sofrer. No dicionário, o mesmo significado pode ser encontrado: “suportar males” – e a parte mais importante – “sem revolta ou queixa”.


Tanto a paciência, quanto a impaciência, são hábitos. Os momentos que nos deixam impacientes, de um modo generalizado, têm a ver com dificuldades, chatices, mudanças (principalmente nos planos, aquelas que frustram nossas expectativas) e ou atrasos. Eu não consigo imaginar alguém neste mundo que consiga se livrar destes quatro monstrinhos. Enquanto que os momentos que nos deixam mais pacientes, geralmente, têm a ver com amor, compaixão e compreensão.

Impaciência: dificuldades, chatices, mudanças e atrasos.
Paciência: amor, compaixão e compreensão.


A má notícia é que algumas coisas são inevitáveis, não podemos alterá-las ou repará-las imediatamente, e é aí onde entrará o wu wei, aí vai entrar a maneira como nós reagiremos à situação. Lembre-se: a situação (externa) você não pode mudar, mas o estado mental (interno) só depende de você. Como devo reagir? Ser impaciente vai piorar ou melhorar a situação? E ser paciente?

A boa notícia é que a paciência não é um dom, é uma força; E como qualquer músculo, deve ser usado e exercitado, várias, e várias vezes, até se tornar mais forte do que o peso a ser superado. E para atingir isto, é preciso: 1. Querer; 2. Perceber; e, então, 3. Praticar.

O número um é bem óbvio. Ninguém vai se tornar mais paciente se não houver vontade. Ponto.

O número dois tem a ver com conhecimento. Quais são os momentos que te deixam impaciente? Por quê? Perguntas do tipo “por que ser paciente nesta situação é tão difícil para mim?” podem ajudar a conseguir este conhecimento. Eventualmente, você vai encontrar respostas como a fadiga, como a inveja – aquela pessoa tem algo que você não tem e não consegue ter de modo algum –, como a intolerância – aquela pessoa está fazendo algo que você nunca se permitiria fazer –, entre outras coisas. A impaciência vai aparecer, geralmente, com pessoas com as quais nos sentimos mais seguros, mais à vontade, pessoas que não vão nos demitir ou punir. Tenha cuidado!

Busque conhecer os motivos que te deixam impaciente, e busque possíveis soluções para eles.

Se eu pudesse sugerir algumas, elas seriam:

Procure entender que as outras pessoas também têm suas próprias limitações, seus cansaços, suas histórias, suas prioridades, seus valores, seus modos de ser e de viver. Respeite estas diferenças, tente compreender as suas limitações.

paciencia-foto-02

Leia as entrelinhas! Geralmente, as pessoas dão sinais de que estão perdendo a paciência. Respeite estes sinais, recue quando for necessário, avance com cuidado, aborde de um modo diferente…
E, importante: não exploda repentinamente, dê (você) sinais de impaciência.
Um livro (O poder da paciência, M.J. Ryan) que eu li tinha um diálogo mais ou menos parecido com isto:
— Eu estou perdendo a paciência!
— Não se preocupe, mamãe, eu ainda tenho um pouco.
Quando uma pessoa se preocupa em manter a harmonia, em cultivar a paciência… Ela consegue!

Nem sempre você vai conseguir se segurar. Claro! Uma hora ou outra você vai explodir.  E tudo bem. Não encare isto como uma derrota. Não! Fracasso pressupõe fim, limitações, diminuição. Tente encarar estes momentos como lições! Aprendizado pressupõe crescimento, evolução, melhoria! O que eu posso aprender com esta situação? Como posso ser melhor na próxima vez?

Estas explosões costumam ser aquele famoso botão vermelho de alerta, que vemos em filmes. A pergunta que devemos fazer é: eu aperto este botão somente em casos extremos, ou qualquer coisinha eu já o aperto? Paciência nos permite lembrar que mesmo os longos períodos não são eternos, “muito tempo não significa para sempre”, diz um provérbio alemão.

Por outro lado, vale sempre a pena checar se aquele problema vale a pena (a explosão, o apertar do botão). Isto vai continuar assim em x horas/dias? Às vezes, nos desgastamos com pessoas que só participarão das nossas vidas uma única vez, durante poucos minutos – no trânsito, por exemplo. Numa das viagens espaciais que tivemos, uma série de luzes vermelhas se acenderam, no painel da espaçonave, e em vez de os astronautas abortarem a missão, eles se perguntaram: este troço ainda está voando? E, sim, o troço ainda estava voando. Então, eles começaram a verificar as luzes e resolver seus respectivos problemas, e assim, continuaram e completaram a missão. O que realmente importava ali? O que realmente importa na sua vida?

paciencia-foto-de-capa

Quando, em meio ao caos, você consegue trazer paz e harmonia para dentro de si, coisas maravilhosas acontecem! Programe-se para, conscientemente, identificar e trabalhar nestes momentos de alerta. Leve consigo sempre a compaixão, para si e para os outros. Foque nas soluções, treine sua percepção para enxergar o lado bom de todas as coisas. Questione: Há solução? Vai durar para sempre? Vale a pena?

O músculo-paciência será cada vez mais forte, e o peso do mundo será cada vez mais leve.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.