Pessoas inspiradoras

Padres se unem para alimentar pessoas em situação de rua: “Oferecemos comida e orações”

“Estamos muito cientes de que alimentamos as pessoas, mas o verdadeiro desejo é abençoá-las espiritualmente”, disse o padre Joseph McBride.



A vulnerabilidade social e econômica tem aumentado cada vez mais, principalmente por conta da crise sanitária atual, inclusive levado milhões de pessoas para as ruas. Os dados nacionais sobre essa população são defasados e invisíveis, já que desde 2008 nenhum levantamento nacional sobre esse segmento é produzido.

O pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcos Natalino, fez projeções de que cerca de 220 mil pessoas viveriam nas ruas no Brasil até março de 2020.

O problema é que a pandemia agravou essa situação e o país segue sem dados atualizados, sem saber ao certo qual a quantidade de pessoas sem teto nas ruas, sua faixa etária, entre outras características.


Esse problema é enfrentado no mundo todo, fazendo com que organizações públicas ou privadas criem iniciativas, mesmo que momentaneamente, para solucionar as mazelas desse segmento populacional. A fome, a solidão, o medo, a exposição a doenças, o frio, o calor, a humilhação são várias questões que atormentam as pessoas em situação de rua diariamente, incluindo crianças na equação.

Congregações religiosas historicamente costumam se envolver em ações sociais, buscando algum tipo de impacto positivo na comunidade em que se inserem. É o caso dos padres franciscanos de Londres, na Inglaterra, que abriram uma grande cozinha pública para atender à população sem teto.

Chamada de Friar Benet’s Kitchen, os religiosos explicam, segundo reportagem da Catholic News Agency que, além de tentar acabar com a fome, eles buscam iluminar espiritualmente todos os que chegam a eles.

Além de alimentar o corpo, eles também alimentam a alma, e rezam para que suas necessidades sejam atendidas, como emprego, moradia, libertação de vícios.


Direitos autorais: reprodução Facebook/Canning Town Franciscans.

O padre Joseph McBride conta que a oração é feita enquanto os membros e voluntários servem a refeição. Enquanto as pessoas em situação de rua ou em extrema vulnerabilidade alimentar começam a se alimentar, é iniciado o turno de adoração, e os voluntários fazem adorações enquanto todos comem.

Infelizmente, o local precisou ser fechado temporariamente, quando um membro da congregação contraiu o vírus. Em meio às restrições do país, os padres decidiram parar por um tempo a alimentação, mas sabiam que precisavam, urgentemente, voltar aos trabalhos sociais para ajudar os mais necessitados.

O sacerdote explica que o local está aberto não apenas para católicos, mas todas as pessoas que precisam de comida, apoio ou desejam atuar como voluntárias, independentemente de crença ou religião.


O desejo do padre Joseph é abençoar, encorajar e aproximar o máximo de pessoas da verdade, usando a relação que tem com Jesus.

Direitos autorais: reprodução Facebook/Canning Town Franciscans.

Para o religioso, a satisfação que todos sentem depois de ajudar o próximo é por saber que fazem o que fazem por Cristo, e que isso estreita ainda mais os laços com a religião. Além da refeição quente, o local oferece banho, roupas novas e corte de cabelo a todos que quiserem.

O que achou da iniciativa dos padres?


Comente abaixo e compartilhe-a nas suas redes sociais!

Ex-pedreiro consegue conciliar estudos e se torna engenheiro da construtora em que trabalhou a vida toda

Artigo Anterior

Casal de ciclistas vê filhote de cachorro ser jogado na estrada e o resgata: “Mudou nossas vidas”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.