Notícias

Pai finge ser filho e consegue prender policial suspeito de tentar estuprar menino

Um policial militar de 59 anos foi preso suspeito de tentar estuprar um adolescente de 12 anos em Rio Verde, no sudoeste de Goiás. De acordo com a Polícia Civil, os dois se conheceram em um clube da cidade e o militar chegou a fazer convites para motel.



A Polícia Militar informou que ele foi afastado das atividades.

Conforme a ocorrência, o adolescente estava com o primo de 18 anos no clube. O jovem percebeu o comportamento do suspeito, que tentava se aproximar do menino, conforme a polícia.

Na saída, o policial abordou o primo do adolescente no vestiário e, conforme registro policial, disse que queria ficar com ele no banheiro. Ainda de acordo com a ocorrência, o jovem pegou o telefone do militar “com o intuito de saber qual era a intenção dele” com o menino.


Após isso, os dois passaram a trocar mensagens por meio de um aplicativo. Prints mostram que o suspeito dizia que levaria o primo e o adolescente ao motel e que eles iriam “gostar”.

Ele chegou a pedir foto ao jovem junto com a vítima e questionava se o adolescente também toparia ir ao motel.

“Já foram ao motel alguma vez? Vocês vão gostar”, escreveu o PM.

Direitos autorais: Reprodução/Polícia Civil


Pai se passa por filho

O suspeito foi preso na noite de domingo (1º), em um posto de combustíveis da cidade. Os pais fizeram a denúncia após ficarem sabendo das mensagens, conforme a Polícia Civil.

Consta na ocorrência que o pai do menino pegou o contato do PM e começou a conversar com ele se passando pelo filho, marcando o encontro.

Na conversa, achando que estava falando com o adolescente, o PM o chama de “guri bonito”, questiona onde ele mora e se estava sozinho, e que queria sair a sós com ele.


Depois, ele ainda pede para que apagasse as mensagens, conforme boletim de ocorrências.

Conforme a ocorrência, o militar chegou ao local do encontrou e enviou uma mensagem dizendo onde exatamente estava e qual o veículo, momento em que o pai do adolescente o encontrou e o imobilizou até a chegada da Polícia Civil.

O suspeito foi preso em flagrante e teve o celular apreendido pela Polícia Civil, que informou que ele pode responder por tentativa de estupro de vulnerável e por importunação sexual.


Assédio anterior

A mãe do adolescente disse à polícia que o militar já havia tentado contato com o filho dela antes, em maio deste ano, após eles se encontrarem em um clube da cidade. Consta na ocorrência policial que o PM se aproximou do menino dentro de uma piscina e teria passado a mão nas partes íntimas dele.

A mãe do adolescente disse ainda que estava no clube e achou estranho o comportamento do suspeito, chamando seu filho para fora da água. Após o episódio, o menino contou a ela o que havia acontecido no local.

A mãe do garoto, no entanto, não contou em depoimento se havia registrado anteriormente esse suposto contato do policial com o filho dela.


Após detido, o PM foi encaminhado à Corregedoria da Polícia Militar e seguia preso até a tarde desta segunda-feira (2) no Presídio Militar de Goiânia.

Em nota, A Polícia Militar de Goiás disse ainda que abriu um Procedimento Administrativo Disciplinar para apurar os fatos e que não compactua com qualquer desvio de conduta praticado por seus membros e que o “caso será apurado com o rigor devido”.

Direitos autorais: Reprodução/Polícia Civil



Se você presenciar um episódio de violência contra crianças ou adolescentes, denuncie o quanto antes através do número 100, que está disponível todos os dias, em qualquer horário, seja através de ligação ou dos aplicativos WhatsApp e Telegram.

O mesmo número também atende denúncias sobre pessoas idosas, pessoas com deficiência, pessoas em restrição de liberdade, população LGBT e população em situação de rua. Além de denúncias de discriminação étnica ou racial e violência contra ciganos, quilombolas, indígenas e outras comunidades tradicionais.

Menino morto pela mãe sofria intensa tortura física e psicológica

Artigo Anterior

‘Para de ficar postando coisa de gente preta, de gay’, diz mulher em discurso em igreja de Nova Friburgo

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.