Comportamento

Em 42 dias, pai, mãe e dois filhos perdem a vida para a covid-19

Família vivia em Mato Grosso. Entenda melhor o caso!



Dentre as milhares de vidas tiradas pela covid-19, muitas delas são de pessoas da mesma família, e suas histórias nos comovem, reforçando a necessidade de cuidarmos bem de nós mesmos e daqueles que amamos durante esta pandemia.

Uma família de Cuiabá (MT) perdeu quatro integrantes em apenas 42 dias. Segundo informações do G1, o pai Octacilio dos Santos Araujo (91 anos), a mãe Geny Maria Haddad Araujo (78 anos) e os filhos Monique Haddad Araujo Patzlaff (55 anos) e João José Haddad Araujo (58 anos) faleceram em decorrência da doença entre os dias 20 de fevereiro e 3 de abril.

Myllena Haddad Araujo Patzlaff, filha de Monique, uma das vítimas, contou ao portal de notícias que o primeiro da família a sentir os sintomas foi seu avô Octacilio, ex-secretário de Segurança Pública de Mato Grosso, e os demais, por volta de 10 de fevereiro.


De acordo com a jovem, a suspeita é de que o idoso tenha sido contaminado através de profissional da saúde que frequentou sua casa, sem saber que estava contaminada. Quando foi vacinado, em 13 de fevereiro, Octacilio já estava contaminado.

Direitos autorais: Myllena Haddad/arquivo pessoal.

No mesmo dia da vacinação, ele sentiu febre, foi a um hospital, mas lhe disseram que se tratava de uma reação da vacina, e o liberaram em seguida.

A família acreditou, já que Octacilio tinha sido contaminado na metade de dezembro, e não imaginou que já poderia se tratar de um novo caso da doença.


No entanto, a situação não melhorou. Segundo a jovem, no dia 15 de fevereiro, o idoso voltou a apresentar febre. Ao procurar novamente o médico, Octacilio recebeu novos medicamentos, o que o fez melhorar temporariamente.

Depois disso, no dia 17, ele teve falta de ar e, dia 18, foi para o hospital, onde exames de sangue, tomografia e teste de covid-19 revelaram a doença. Com 50% do pulmão comprometido, Octacilio foi para a UTI, mas contraiu uma infecção bacteriana, e não resistiu, vindo a óbito em 20 de fevereiro.

Direitos autorais: Myllena Haddad/arquivo pessoal.

No mesmo dia da morte do idoso, a família realizou testes de covid-19, e todos deram positivo. Sua esposa Geny Maria foi intubada oito dias após a morte de Octacilio, recebeu tratamento em casa, mas faleceu em 6 de março, em virtude dos pulmões comprometidos.


Monique permaneceu internada por duas semanas, também recebendo tratamento em casa, mas precisou ir para o hospital em 3 de março. No dia seguinte, foi intubada e faleceu no dia 15.

Já João José, tio de Myllena, foi internado no dia 6 de março e liberado no dia 30, para se tratar em casa. Entretanto, precisou voltar ao hospital na madrugada do último dia 2, e foi direto para a UTI. No dia seguinte, passou por um procedimento para retirada de líquido do pulmão, e acabou falecendo. Não há confirmação de que a cirurgia seja responsável pelo óbito.

Direitos autorais: Myllena Haddad/arquivo pessoal.

Os demais membros da família não apresentaram sintomas graves e já se recuperaram.


Myllena disse que a família sempre se cuidou muito e que as perdas abalaram a todos. A jovem acrescentou que isso é uma “tragédia” e que os familiares eram “pessoas maravilhosas”, “amados e queridos por todos”.

Também disse que teve a melhor mãe, tio, avó e avô que poderia, e sente a falta de todos diariamente, mas que sempre estarão nos corações e pensamentos da família.

Compartilhe o texto em suas redes sociais.


Depois do nascimento da primeira menina, casal com 15 filhos decide “fechar a fábrica”

Artigo Anterior

Culto em igreja com mais de duas mil pessoas é interditado por fiscalização contra a covid-19

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.