Comportamento

Pai registra duas filhas com o mesmo nome, sem querer: “Agora a gente tem duas filhas Nina”

Ele percebeu o ocorrido enquanto ainda estava no cartório, e precisou esperar os tabeliães mudarem o registro no sistema.



As famílias que ficam integralmente com seus filhos, ainda mais nesta pandemia, ficam sobrecarregadas e exaustas, já que precisam conciliar o trabalho remunerado, a administração da casa e o cuidado dos filhos. São horas sem dormir, cansaço extremo e, mesmo assim, precisam dar conta do fluxo de trabalho normalmente, como se não tivessem filhos.

Em alguns casos, o cansaço é tanto que a família fica desnorteada, como foi o caso do escultor Armando Bianchetti, de Nova Lima, Minas Gerais.

Segundo reportagem da Crescer, no dia 27, o homem foi a um cartório registrar o nascimento da filha mais nova, mas acabou cometendo um equívoco que só quem tem coisa demais na cabeça compreende: registrou a recém-nascida com o nome da filha mais velha, Nina.


Armando preencheu as fichas exigidas pelo cartório, levou a Declaração de Nascido Vivo, que o hospital entregou assim que a bebê nasceu, e conseguiu fazer a certidão de nascimento e o cadastro de pessoa física da filha.

Mas assim que a funcionária do cartório lhe entregou a papelada pronta, ele logo percebeu o erro. Ela informou que a documentação na “Nina” estava pronta, foi quando o pai explicou que havia cometido um engano.

A situação foi compartilhada pela esposa, a escritora e editora Carol Christo, no Twitter. Em pouquíssimo tempo, a publicação viralizou, com mais de 22 mil curtidas.

No post, a mãe explica que o marido havia ido até o cartório registrar a Mia, mas acabou registrando-a como Nina, o que fez com que o casal tivesse duas filhas com o mesmo nome agora.


Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.

Carol ainda registrou o marido explicando toda a situação, e compartilhou com seus seguidores nas redes sociais. Armando explica, de forma bem humorada, que a funcionária chegou com os documentos que haviam acabado de fazer e disse que estava pronta a certidão da “Nina”.

Ele imediatamente perguntou por que seria da Nina, já que essa era sua filha mais velha.

Armando precisou esperar que os tabeliães mudassem o registro no sistema e emitissem um novo CPF, mas tudo deu certo. Mia recebeu o nome correto e está com os documentos alterados, da forma como deveria ser.


A pequena nasceu no dia 17 de maio e, por conta da pandemia, o cartório que funciona dentro do hospital onde a filha nasceu, teve de paralisar seu atendimento.

Direitos autorais: reprodução Twitter/@CarolChristo.

Logo após o nascimento de Mia, a família teria 15 dias no máximo para registrá-la. Faltando cinco dias para o prazo se esgotar, Armando foi cumprir essa tarefa. Carol conta que Nina, a filha mais velha, tinha ficado doente nos últimos dias, o que deixou a família toda ainda mais cansada.

Carol explica que Armando é “desligado” assim mesmo, mas que depois de quase 10 dias sem dormir direito, o ocorrido nem a surpreendeu. O pai estava tão atrapalhado e nas nuvens, que havia registrado até a data de nascimento da filha errado, colocando o ano como 2022. O que você achou deste caso? Dê sua opinião e compartilhe este relato nas suas redes sociais!


Pedreiro idoso, que havia sido furtado, ganha nova bicicleta de policiais: “Felizes em ajudar!”

Artigo Anterior

Quilombola é aprovado em 1º lugar para Medicina na Universidade Federal do Sergipe!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.