Família

Pai solteiro, que pedalava 14km para buscar tarefas dos filhos na escola, recebe R$ 46 mil em doações

Edemilson e seus três filhos foram abandonados há quase 10 anos pela companheira e mãe, que saiu sem avisar e nunca mais voltou.



Assumir compromisso com os filhos e a criação das crianças é algo que nem todos são capazes de fazer. A importância de se levar a sério as demandas e as necessidades dos infantes não atinge todos os adultos, muito menos as políticas públicas, que acabam deixando muitas famílias vulneráveis sem nenhuma assistência.

O roçador Edemilson Wielgosz, de 47 anos, sempre tentou, como pôde, atender às demandas dos filhos. Durante a pandemia, sem sinal de wi-fi, ele chegou a pedalar 28 quilômetros de ida e volta da escola dos adolescentes, que precisavam receber as atividades.

Segundo reportagem do G1, o esforço que faz para que eles não parem de estudar é grande, mesmo sem computador, internet e morando muito longe da instituição.


Os quatro moram em um sítio próximo à BR-376, no litoral do Paraná, e os adolescentes estudam no estado vizinho, Santa Catarina, para onde, toda semana, ele precisava pedalar 14 quilômetros para ir e mais 14 para voltar, a fim de buscar as atividades dos filhos.

Edemilson afirma que luta para dar dignidade aos filhos, e mesmo sabendo que muita coisa falta e o que possuem é simples, ele garante que carinho e empenho não faltam. Foram muitas as dificuldades que enfrentaram, mas mesmo doendo desistir não é uma opção para ele – e nunca foi. Ele tem quatro filhos, mas a mais velha já saiu de casa (casou-se), e em casa ficaram Wellinton, de 16 anos; Amabili, de 14; e Nicole, 12.

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.


Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.

Há quase 10 anos, segundo o pai, ele enfrenta o trabalho de criar e educar as crianças sozinho, já que a ex-companheira os abandonou sem dizer o motivo. Edemilson conta que ela foi embora “do nada”, e que a época mais difícil era quando eles eram menores, mas que agora tudo fica um pouco mais fácil.

Depois que o pai contou sua história nos jornais e explicou que estava sem receber o pagamento pelo seu trabalho, os internautas se organizaram para ajudar. Em pouquíssimo tempo, arrecadaram-se R$ 46 mil para ajudar a família neste momento tão difícil.

A ajuda foi o que lhe garantiu viver de maneira digna, sem precisar passar fome, por exemplo. Novamente, é possível ver que as pessoas são capazes de coisas maravilhosas quando se organizam para fazer o bem.


Edemilson é um pai que assumiu verdadeiramente a criação dos filhos e nunca se importou em se sacrificar para garantir que eles tivessem apenas o melhor. Infelizmente, muitas famílias brasileiras passam, neste exato momento, por dificuldades financeiras intensas, acentuadas pela pandemia e pela falta de compromisso com auxílios e políticas públicas.

Depois de morar nas ruas e passar fome, brasileira vira doutora em universidade da Inglaterra

Artigo Anterior

“Adotei a criança dos meus sonhos: uma menina com síndrome de Down”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.