Notícias

“Foi um milagre”: pais conhecem filha que nasceu enquanto eles estavam intubados com covid-19

A bebê também teve coronavírus e precisou ficar intubada, mas teve alta antes dos pais, que só conseguiram segurá-la no colo pela primeira vez após 40 dias de nascida.



A covid-19 é uma doença infecciosa causada pelo coronavírus, descoberto recentemente pelos cientistas.

A principal forma de transmissão do vírus é através do ar, por gotículas de saliva que saem da boca ou nariz de um paciente infectado e são aspiradas por um indivíduo saudável. Grande parte das pessoas que contraem a doença apresentam sintomas leves e moderados, mas uma parcela precisa de hospitalização.

Os sintomas mais comuns são febre, tosse seca e cansaço, sendo bem similares, e até muito confundidos, com os da gripe e do resfriado. Os sintomas menos comuns são dores de garganta, perda de olfato ou paladar, dor de cabeça, diarreia, conjuntivite, irritação na pele, dores musculares ou descoloração dos dedos das mãos e dos pés. Se a maioria dos pacientes infectados não apresentam sintomas graves, então por que tantas pessoas morrem ou existe tanta ressalva com o vírus?


A resposta para essa pergunta está justamente no fato de que por ser uma pandemia global, a covid-19 tem altos índices de transmissão, e quando muitas pessoas contraem o vírus ao mesmo tempo, o sistema de saúde entra em colapso, não conseguindo atender à demanda de doentes.

Em Sete Lagoas, Minas Gerais, Fernando e Mariana passaram por uma situação inimaginável. Intubados com covid-19, não puderam ver o nascimento da própria filha, Manuela, que também testou positivo para a doença e precisou da ajuda dos tubos para sobreviver.

Foram 40 dias até que pudessem segurar a filha pela primeira vez em seus braços, já que ela teve alta antes dos pais. Manuela nasceu no dia 25 de março, depois que a advogada Mariana precisou passar por uma cesárea de emergência e logo depois foi intubada. Segundo reportagem do Yahoo, a emoção foi grande, e Fernando acredita que sejam três milagres.

Fernando foi internado com o vírus no dia 17 de março, enquanto a mulher estava grávida de 30 semanas. Um dia depois, ele precisou ser intubado, a esposa acabou testando positivo para o vírus e também precisou ser internada, quando estava com 31 semanas.


No dia 25 de março ela passou pela cirurgia de emergência para dar à luz e sequer chegou a conhecer a filha antes de ser intubada. Com apenas 1 quilo e 700 gramas, a bebê precisou ficar internada e ser intubada porque também tinha coronavírus.

Fernando conta que não sabia de tudo o que estava acontecendo, nem que os três estavam internados ao mesmo tempo no hospital. Manuela teve alta dia 10 de abril e ficou sob os cuidados dos avós maternos e paternos, que precisaram ser firmes enquanto conciliavam o medo da situação dos filhos, com a felicidade da chegada da netinha.

Fernando recebeu alta no dia 22 de abril, dia em que soube o que estava acontecendo. Precisou ser forte e cerca de seis dias depois Mariana também pôde voltar para casa. Foi com apenas 40 dias de vida que ela conseguiu segurar e conhecer a filha pela primeira vez. A mãe apresenta dificuldades para falar por conta da traqueostomia a qual foi submetida, e os familiares contam que Manuela tem se recuperado bem.


“A lesão foi única, certeira e fatal. Ele agonizou por pouco tempo e depois já veio a óbito”

Artigo Anterior

“E a louça, lavou?” Mulher faz compra de camiseta feminista e se depara com frase machista em embalagem

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.