Para 2019, mais amor-próprio e menos romance vazio



O amor e suas mil maneiras de se manifestar, nenhuma delas tão linda e saudável quanto o amor-próprio. Os romances deveriam falar mais de amar a si mesmo do que tanto em amar o outro. 

Crescemos assistindo as princesas que encontram seu príncipe, que esperam toda a vida por ele. Aquele amor à primeira vista e aquele homem que luta por ela. Em primeiro lugar, eles só existem mesmo em filmes e contos de fadas, de cinema e livros infantis. Em uma época marcada por princesas sofridas, onde tudo de ruim acontecia com elas, lá vinha o príncipe para salvá-las, nunca foram ensinadas a salvarem a si mesmas.

O grande desperdício de amor é deixá-lo guardado esperando para depositá-lo exclusivamente em outra pessoa e não em quem verdadeiramente merece esse amor puro, que é você.

É triste o tempo que perderam ensinando mulheres que os homens resolveriam suas vidas.

Vivemos a era de relacionamentos sem comprometimento. Na teoria, todos esperam a perfeição. A quantidade de relacionamentos e compromissos que terminam é um reflexo da espera pela perfeição, que foi justamente o que você recebeu na sua criação, que o homem que deve fazer parte da sua vida precisa ser perfeito, nada menos que isso, que você não pode aceitar nada menos que um príncipe encantado.

E então as expectativas são altas demais… e lá se vão os relacionamentos. Mais finos que papeis, são levados pelo vento dos contos de fadas.

Quantas pessoas de culpam, ao fim de um relacionamento, que o erro e o problema devem ser ou estar com ela. Quantas pessoas ficam frustradas esperando o amor da vida e submetendo pessoas a padrões cada vez mais altos e difíceis de encontrar.

Com todos esses ensinamentos de contos de fadas, as mulheres se tornaram princesas tristes e depressivas. Cada dia mais se culpando por estarem sozinhas, muitas sentindo-se não merecedoras da felicidade.

Felicidade é seu escudo, e jamais acredite que ela está em outra pessoa. Não será o outro que fará você feliz, e sim você mesmo. Independente de qual relacionamento você esteja, ou procura, o primeiro amor deve ser com você mesmo.

Relacionamento deixam de ser saudáveis quando todas as fichas da felicidade são depositadas somente em outra pessoa.

A verdadeira felicidade é conseguir ficar um tempo com você mesmo e amar sua única presença.

Consiga ficar sozinho e amar a si sozinho, antes de querer amar alguém e ser feliz com alguém. A pessoa que entrar em sua vida vai completar o amor que já existe, a felicidade que já faz parte de você.

Como viu no início desse texto, das mil maneiras de manifestação do amor, o mais puro é o próprio.

Se um, neste relacionamento é infeliz consigo mesmo, não poderá completar o outro com uma alegria de mentira, pois este depositará toda esperança em ser feliz apenas na companhia daquela pessoa. Este é o momento onde pessoas se tornam dependentes uma das outras, como vício, como se não pudessem viver uma sem a outra.

A forma mais pura que o amor se manifesta é como amor-próprio, com outra pessoa que ele seja merecido, e não imposto. Que ele seja um sentimento, não uma obrigação na agenda; que ele seja companheiro, e não regra. Que estar juntos seja maravilhoso, mas estar separado seja tanto quanto.

O amor confia mais do que duvida, e aquele que duvida demais do outro, apenas sofre ele mesmo. Sofre sozinho ou sofrem juntos, quando as brigas tomam conta de momentos que poderiam ser tão belos.



Um sentimento desse não pode ser cadeia, não podem existir jaulas, e sem amarras duas pessoas podem viver um relacionamento feliz e duradouro.

Fidelidade é caráter e não compromisso assinado ou um anel no dedo. Respeito vem de dentro, mútuo, reflete em momentos únicos juntos ou separados.

Conseguir estar feliz com o outro longe é saber ser feliz mesmo nos momentos difíceis.

Esse amor-próprio é o que faz você dar conta de seguir em frente, mesmo quando o deixam para trás. Deixe de lado o esperar demais, o querer demais, o exigir demais. Deixe a perfeição, isso não existe e é preciso desapego para viver em imperfeições.

Você se desapega de suas manias e a outra parte também deve se desapegar, os dois devem ceder, e ao mesmo tempo não existe ceder quando os dois se respeitam mutuamente, e podem conviver em plena harmonia, sem exigir trocas.

Não existe moeda própria no relacionamento para ambas as partes ficarem exigindo pagamentos iguais e troco sempre que algo acontece. O valor dessa moeda, o maior dele é o que você se dá. Se você tem fé, deposite com mais força em si mesmo; se você quer cuidar, cuide de si mesmo. Motive sempre a outra pessoa a também se amar do jeito que ela é.

Pois ninguém muda ninguém, e não precisar ser necessário mudar para viver uma experiência de amor com alguém.

Quando conhecemos alguém, deixamos de nos amar em primeiro lugar, mas, na verdade, quando alguém entra em nossa vida eis o momento que precisamos mais ainda amar a nós mesmos.

Para sentir isso por alguém é mais importante ainda que as partes amem a si mesmas, antes de tudo, que cuidem de si para depois cuidar do outro.

A regra é: ame-se, antes de amar alguém. Esqueça a cultura de que você é frágil e sua felicidade e a solução de todos os seus problemas estão em outra pessoa. Às vezes, seus problemas começam com a outra pessoa, e você acaba esquecendo do seu valor, do quanto você é importante, você se esquece que você veio primeiro sozinho e foi feliz por tempos sem ninguém, e agora pode completar essa felicidade com a de outra pessoa, ou não. Será feliz tanto quanto, sozinho ou acompanhado.

Dê valor aos relacionamentos saudáveis, busque por eles! Quanto aos relacionamentos tóxicos, viva sem eles.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123rf/ golubovystock”






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.