5min. de leitura

Para aqueles que usam a força interior com remédio

Passaram-se muitos anos e nunca passou por suas mãos uma receita médica de um calmante, tranquilizante, antidepressivo, ansiolítico e várias outras denominações. Houve a insistência de ser sóbrio, até nos pensamentos mais insanos.

Houve e ainda há sentimentos de culpa, dor, revolta, rejeição, a famosa ansiedade e junto com tudo isso um sentimento de empoderamento de ter domínio das situações, sem necessitar de algo para provocar uma mudança, mesmo que temporária, em seu estado normal, que por muitas vezes não era tão normal assim.


Muita gente ainda não buscou nos medicamentos saídas para suas mais íntimas indagações, vagas perguntas, medos reais e irreais e vontade de não viver mais a mesma vida.

O remédio para a fuga da realidade foi o choro mesmo, a raiva incerta destilada em pensamentos confusos debaixo do chuveiro, orações, orientações espirituais, longos papos com amigos, terapias, atividades físicas, viagens.

Algumas situações costumam lhe deixar fora do eixo. O coração acelera, outras vezes bate com uma vontade de desistir. A angústia persegue, há um desejo de sumir sem sair do lugar, mas você está ali, tentando compreender. Lendo muito, ouvindo e acompanhando pessoas e passos para fazer e ser melhor. A música pode ser o tal calmante.


Respostas para tudo o que se passa dentro de nós? Bem que elas podiam estar no próximo clique da internet, na nova pesquisa do Google, num exemplo idêntico ao momento pelo qual você passa, encontrado nas páginas de um livro.

O vizinho, a amiga, a colega de trabalho, familiares, todos se declaram consumir de vez em quando – a mais ou menos uns 20 anos. O tio, a professora, o novo amor se diz dependente para resolver qualquer irritação que se prolongue por uns dias e os deixam sem alternativas.

Psiquiatras dizem que muitos distúrbios não precisam de medicamento, e muita gente consegue provar isso. Se você é uma destas pessoas, orgulhe-se. Sim, você tem uma capacidade que nem todos têm de buscar outros meios, nem que seja reservando um tempo para descobrir quem você é e o que gosta de fazer da vida para torná-la mais leve sem necessidade de dosagens medicamentosas.


Você talvez tenha se utilizado de mantras, pensamentos, controle mental e leituras que ensinaram ao longo da sua vida a tomar posse dos seus sentimentos, do próximo passo, das suas atitudes. Ou apenas não usa medicamentos por filosofia de vida, custos, efeitos adversos, dependência.

Você aquietou seu corpo, conversou consigo mesmo, diminuiu a preocupação com o futuro, relaxou nos momentos em que a tensão queria tomar conta, viu suas mãos suarem, sentiu taquicardia, mas tentou entender a linguagem do seu corpo, não agiu compulsivamente a tempo de se prejudicar ou prejudicar alguém.

Saiba que isso tem muito a ver com a sua força espiritual, a leveza da sua alma, a proteção que você pede e recebe dos seres de luz, dos anjos, de guias. Tem a ver com a sua fé e o que você acredita. Pessoas assim têm uma grande capacidade transformadora.

Se você consegue suportar muitos reveses, criados ou não pelo seu eu interior e por situações externas sem precisar destas drogas lícitas, saiba que você é alguém especial, não melhor que ninguém, mas possui uma força extraordinária e ainda não tem noção do que é capaz.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo:123rf / kegfire





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.