ColunistasReflexãoVida

Para que dormir, se você não sabe sonhar?

PARA QUE DORMIR

Vou confessar que tenho a mania de ouvir certas músicas repetidamente. Coloco no loop e assim que ela termina, inicia novamente. Foi o modo que encontrei para me abstrair do que me cerca. Quanto mais ela se repete mais me ausento e assim o que ouço já não é mais absorvido pela minha mente, somente o que escrevo. Acredito que esse processo é o que acontece com os sonhos. Estamos tão acostumados com a rotina do dormir que não sabemos quando estamos sonhando. Será que a realidade desperta não é a do sonho e vice-versa?



Que provas temos? Nenhuma. Mas o cerrar os olhos o inconsciente torna-se detentor dos eventos oníricos que a cada noite nos coloca num cenário diferente.

Uma imersão extremamente intrigante que nos faz refletir a respeito do que é real e do que não é, ou é?

PARA QUE DORMIR


Adquirimos experiências nos campos oníricos e a trazemos para realidade desperta onde colocamos a prova o que aprendemos. Até mesmo de maneira inconsciente podemos estar agindo da forma que fomos instruídos nos sonhos.

A verdade é que não sei se os meus sonhos são feitos de minha realidade, ou se minha realidade é feita de sonhos.

Para mim os sonhos sempre terão várias interpretações. Cabe a cada um descobrir o que esses episódios oníricos possuem de tão especial que para termos acesso a eles precisamos desligar do que chamamos de realidade.

Antes de se deitar lembre-se que você não vai apenas cerrar os olhos, mas entrar em um universo onde cada detalhe é muito mais do um mero detalhe, mas parte de uma realidade que precisa ser construída, peça por peça. Se estiver atento aos seus sonhos talvez descubra emoções nobres ou até mesmo obscuras que precisam ser extravasadas.


Orquestra sincrônica

Artigo Anterior

Personificando nossas ideias

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.