publicidade

Para quem ainda não conseguiu aceitar…

Do ponto de vista individual, o nascimento é o marco zero da personalidade, sonhos e monstros.



Em geral, é o momento que traz alegria às famílias; mas eles já estavam aqui, e, se comparamos com o recém-nascido, este nascimento não vai afetar em nada o psicológico destas pessoas. Para o bebê, por outro lado…     

As visitas, as fotos, os beijos, os mimos, os sorrisos, a voz aveludada, a presença, entre outras coisas são mensagens passadas repetidamente ao bebê de que ele é bem-vindo, amado e aceito.

Até a página dois, é um cenário perfeito, mas a partir do momento em que essa criança começa a conviver com estranhos, ela descobre que nem todo mundo a recepciona bem, nem todas pessoas a amam, muitas não só não a amam como não se importam, ela passa por elas despercebida. “Tanto faz”. É o início de uma jornada dura.

Algumas pessoas não conseguem atravessá-la mesmo depois de crescidas. Dentro delas, ainda vive aquela criança que acha que todo mundo tem que amá-la, que o normal é a aceitação unânime.   

Claro que nem todo solo propicia a germinação, mas aqui, a vida planta o complexo de inferioridade, rejeição, insegurança, e outras ervas daninhas. Quando germinam, a criança tenta restaurar aquele cenário perfeito onde todos a amam, e começa a fazer de tudo para conquistar quem não gosta dela, acreditando que se ela se esforçar mais, será amada e aceita.

Na vida adulta, o cenário não é perfeito, as pessoas não vão te visitar só pra te ver dormir ou fazer uma gracinha qualquer. Alguns nos amam, mas têm aqueles que não gostam de nós, e ainda há pessoas que são indiferentes, neutras.


Ter maturidade emocional é saber lidar e conviver com os três grupos de pessoas, sem causar danos, mágoas, exageros ou conversões. Por outro lado, quando este adulto é emocionalmente imaturo, ele quer fazer o cenário da vida adulta ser o cenário da primeira infância – a todo e qualquer custo, ainda que ele se humilhe e sofra. Ele, então, passa a ignorar completamente as pessoas que o amam – às vezes, ele as perde –, e passa a se dedicar de corpo e alma, investindo toda a sua energia e tempo nas pessoas que não gostam dele, na ilusão de que vai provar que todos estão enganados, que ele é amável sim, e todos vão amá-lo e aceitá-lo.

O pior acontece quando este adulto consegue fazer a conversão, a pessoa passa a “gostar” dele! A partir deste momento, esta pessoa perde completamente a sua importância. O adulto precisa de outra vítima. Sua vida é resumida a uma guerra infinita de conversões.


Esta imaturidade traz o problema da falta de autoaceitação. Se você não se ama, o amor dos outros faz falta. Se você não se aceita, a aceitação dos outros faz falta.       

Felizmente, alguns estudiosos compartilham métodos para atingirmos este nível de auto aceitação e amadurecimento. Afinal de contas, o “cenário perfeito” só existe nos primeiros anos de vida, é preciso aceitar que ele acaba, assim como tudo na vida.

A chave para a aceitação é dedicar energia para as coisas que podemos mudar, ao invés de as coisas que fogem ao nosso controle.     

Intenção

O psicólogo Jeffrey Sumber diz que a aceitação começa com a intenção. Precisamos sair do cenário de culpas, dúvidas e vergonha e ir para o cenário de aceitação, confiança, permissões e tolerância. Viver num mundo de aceitação é muito mais fácil do que num mundo onde temos que correr atrás das pessoas e forçá-las a nos amar, todos os dias, até morrer!


Lado positivo

Com tantos sermões sobre ego e pecado, na nossa cultura, somos mais propensos a ver os nossos defeitos, muito mais do que vemos nossas qualidades. Criar uma lista com nossas qualidades, lê-la com frequência e atualizá-la conforme adquire-se novas, e ou, quando faz-se coisas boas é uma boa maneira de contrabalancear. Eu sou gentil. Eu sou simpático. Eu tenho riso fácil. Eu sou paciente. Eu sou carinhosa. Eu sou bem-humorada. Eu superei tal situação. Eu perdoo com facilidade. Criativo. Persistente. Dedicado. Articulado…


Avaliação social

Algumas pessoas nos trazem energias boas, outras, além de trazer energias ruins, deixam-nos sem energia alguma! Pare para analisar quem é quem, livre-se de quem o deixa estressado, inseguro, triste, desanimado, cansado, humilhado, preocupado. Aproxime-se de quem o deixa animado, feliz, confiante, entusiasmado, inspirado. Quem está sempre reclamando de tudo? Quem só diz coisas negativas? Quem ofende e desrespeita? Quem julga demais? Quem desencoraja? Quem está sempre de bom humor? Quem sempre diz coisas bonitas? Quem sempre elogia e vê o lado bom? Quem acredita no seu potencial? Isto também vale para televisão, livros, filmes, músicas e jornais!


Perdão

A vida não vem com um manual de instruções, perdoe! Se alguém errou contigo, perdoe – não significa que você tem que conviver e dar outras chances, apenas que não precisa carregar o peso dentro de si. Mais importante ainda: se você errou, perdoe-se – e neste caso, você vai ter que conviver consigo até morrer. “Eu tomei a melhor decisão com as informações que eu tinha”. “Hoje eu consigo ver que errei, mas na hora, parecia a melhor coisa a fazer”.


Cale o diabinho

Para estas pessoas é comum ouvir críticas, vaias e vozes de desencorajamento no seu interior. “Burro!”, “Você não merece!”, “Quem você pensa que é?”, “Eu não sou capaz.”. Elas confundem o diabinho com “a verdade”. Se essas críticas são palavras que você nunca diria a quem você ama, então elas não são “a verdade”, não é honestidade, é um julgamento duro e injusto. Cuidado! – Um parêntese: um dos meus vizinhos tem uma criação de galinha-d’angola. Pode soar como algo legal, mas conviver com elas é ter que ouvir “tô fraco” dia e noite, um mantra nada encorajador! Algumas pessoas criam galinhas-d’angola dentro da própria cabeça!
Dê voz ao anjinho, crie mantras de positividade e encorajamento. Lembre-se de que nossas imperfeições são indicadoras de humanidade e oportunidades de aprendizagem, cura e crescimento. “Eu sou humano e estou fazendo o melhor que posso e consigo, agora”.


Doe

Doação geralmente é associada ao dinheiro, roupas e alimentos, mas é possível doar muitas outras coisas, sem tirar qualquer coisa de si. Atenção, carinho, tempo, conhecimento, música, artes, sorrisos, abraços, presença… Quando você doa ao outro, você percebe que você é importante para alguém, que você afeta positivamente a vida de outras pessoas. Uma vez que você conseguiu se ver desta maneira, fica cada vez mais difícil acreditar que você não é uma boa pessoa, e, quem perde é quem não consegue enxergar a pessoa maravilhosa que você é.


O Segredo

Muitos veem a Lei da Atração apenas como meio para ter coisas, esquecendo-se do ser. Poucas pessoas fecham os olhos e imaginam-se na sua última fase da vida. Se seu eu-de-hoje encontrasse o seu eu-final, que tipo de conversa vocês teriam? Embora seja um bom mecanismo de atração, esta prática pode ajudar a pessoa a encontrar as coisas boas que já existem dentro de si, e ela não sabe. Como esta versão evoluída falaria? Como ela agiria? Com amor, empatia, compreensão, compaixão, paciência, otimismo?

Entender que a vida não vem com manual de instruções e que não somos perfeitos, ajuda-nos a perdoar a nós mesmos. Perdoar a nós mesmos nos leva a aceitar quem somos. Aceitar quem somos nos leva a amar a nós mesmos. Amar a nós mesmos nos traz certeza de que merecemos o melhor e isto tudo nos leva à felicidade.

Mas, acima de tudo: é fato da vida que nem todos vão gostar de você, não importa quanto se esforce. Então, pra que perder tempo com quem não o ama? Pra que deixar de lado quem o ama? Faz mais sentido dedicar tempo e energia a quem lhe faz bem ou a que lhe faz mal?

___________

Direitos autorais da imagem de capa: dreamerve / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.