Para viver um bom amor…



Para dizer tudo: nada substitui o amor e “todo amor é sagrado” como na canção indígena. O objetivo do amor, na minha opinião, é encantar a existência.

Segundo o apaixonante poeta português Fernando Pessoa “O amor é uma companhia…” o que fulmina de morte o delírio dos ultra românticos de que o amor é um salva-vidas. E assim, a companhia precisa ser doce, confiável e inspiradora, do contrário, não vale a pena. Contudo, como saber quando encontramos nosso parceiro (a) afetivo na vida?

Segundo uma pesquisa americana quem pode e tem autoestima deve eleger seu parceiro pelo beijo. Se o beijo for bom, invista. Se o beijo não lhe arrebatar, desista. O beijo é tudo.

Outra pesquisa americana informa que o essencial para se ter um relacionamento bem-sucedido consiste em duas chaves: bondade e generosidade. Penso que é preciso considerar as afinidades, valores, interesses, caráter, personalidade e projetos do par.

Segundo o médico Flávio Gikovate um relacionamento para ser julgado de boa qualidade deve superar a vida de solteiro que o sujeito leva. Para ele amor é prazer, felicidade e lazer. Certamente, existem milhões de modos de aferição e conceitos sobre esse sentimento, seu quilate e sua finalidade.

Numa visão global, eu tenderia maquiavelicamente a colidir todos. Para mim o amor é uma “construção contínua” com demandas e expectativas, altos e baixos, mas amor é amor, uma questão de coração, mãos dadas, sorvete na boca, risadas roubadas com piadas podres, chinelos trocados…

Assim, o beijo do casal deve ser delicioso e inesquecível. Os dois precisam ser amigos, companheiros e se estimularem a evoluir sempre, pois amor é cumplicidade, doação, fé, perdão e invenção. Cuidar um do outro da melhor maneira possível, com gentileza, elegância e humor, sem discussões desnecessárias e infantis. São imperativos afetivos: respeito, paciência, lealdade, compromisso, carinho e um grão de ciúmes.

Fazer a experiência do “autoconhecimento pelo amor”…

Existem cinco dimensões a serem analisadas para se viver um bom amor: intelectual, moral, afetiva, química e econômica. Numa dimensão intelectual: você gosta de trocar ideias com ela? A admira? Ela te inspira? Numa dimensão moral: ela é uma pessoa boa, ética e justa? Numa dimensão afetiva: você a ama? Pensa nela? Liga só para ouvir sua voz? Tem química? Numa dimensão apaixonada: você gosta de ficar com ela? O beijo é irresistível? O encontro a dois é inefável? Tem física? Numa dimensão econômica: ambos estão lutando a sua maneira por um futuro melhor? Existe um desejo a longo prazo de casar e constituir família?

O ideal seria haver um equilíbrio entre essas dimensões no interior do relacionamento, o que nos permitiria supor que ele transcende com louvor a vida avulsa.



É tempo de morangos, do essencial invisível. (Não se deve desperdiçar uma gota desse milagre.) É preciso burilar e aperfeiçoar o afeto e o vínculo passional até atingir uma espécie de “excelência permanente” da luz.

Para dizer tudo: nada substitui o amor e “todo amor é sagrado” como na canção indígena.

O objetivo do amor, na minha opinião, é encantar a existência.

Aquele sorriso… aquele olhar… somente ela tem! E dormir juntinho… o amor maduro nos ajuda a suportar o sofrimento e a solidão da condição humana.

Não me esqueci de Nietzsche que disse que o principal num relacionamento era o diálogo. Se a conversa for boa, profunda, surpreendente a vida a dois sempre será suave. A conversa é fecunda? O coração dança ao pé dela? O beijo é insano? Então, o que está esperando?

É indispensável viver o amor com coragem, liberdade e privacidade. Afinal, o amor é o nosso passaporte para uma Vida Nova com nossa família, filhos e felicidade.

___

Escrito por Thiago Castilho – Via Obvious






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.