ComportamentoRelacionamentos

Para você que é muito independente, mas também tremendamente emocional

Ser independente é tomar as próprias decisões baseado no que é melhor em seu ponto de vista, manter-se em movimento, levantar a si mesmo depois de uma queda, juntar seus pedaços quebrados e remendá-los sozinho.



Essa independência sempre fez parte de sua vida. Você sempre esteve “muito bem, obrigado”, sozinho. Sua confiança em suas capacidades sempre foi suficiente e você nunca teve medo de encarar pessoas e situações com apenas a própria companhia.

Mesmo agora, depois de crescido, você ainda procura desafios que o tornem ainda mais independente, criando o seu próprio caminho de vida e andando longe daquilo que todos sempre fazem.

Porém, toda essa autossuficiência não o impede de amar. Então, você ama. Com todo o seu ser, todas as emoções e fragilidades. Você ama linda e completamente. Sua intensidade em todos os aspectos da vida é reforçada ainda mais no amor. Você valoriza conexões verdadeiras, emoções que entrelaçam seu caminho ao de outra pessoa. Deseja um amor que mexa com suas configurações, coloca-o de cabeça para baixo e o faz entregar-se nas mãos de um outro alguém.


Essas duas formas de ser o colocam constantemente em dúvidas. Você quer ser fiel a si mesmo e, ao mesmo tempo, também quer amar outra pessoa, com a mesma intensidade. Você anseia essa liberdade e autonomia de não ter que depender de mais ninguém para viver bem.

Mas ao amar, de certa forma nós misturamos nossas vidas à vida de um outro alguém. E isso deve ser feito de forma apaixonada e certa. Para você, no entanto, esse fato é bom e ruim ao mesmo tempo, porque o caminho que antes era só seu, de uma hora para outra você se  vê “preso” a outra pessoa.

Em meio a essa ambiguidade de sentimentos e desejos, você se vê perdido em uma batalha interna de incertezas. Você tenta silenciar a voz da sua mente, que é, ao mesmo tempo, teimosa e apaixonada.

Seu mundo se torna uma batalha interna. Você silencia sua mente teimosa e se ama. Então, você se entrega. Corre para o colo de seu amado, deseja seus carinhos, sua presença. Conta com essa pessoa nos momentos de dúvidas e incertezas, deseja sua felicidade e, muitas vezes, coloca a si mesmo em segundo lugar pelo o bem da relação. Isso é amor, é algo belo.


No entanto, em algum momento você parece apenas despertar para a realidade e sentir-se fraco, manipulável, dependente. Você percebe que se tornou vulnerável, suscetível a manipulações e mentiras. Depois disso, você se afasta, passa mais tempo sozinho, pensando em quanto tudo aquilo não parecia certo e tenta encontrar novas perspectivas que o tornem mais feliz, você começa a deixar ir.

É aí que você percebe que nenhuma das duas opções o faz verdadeiramente feliz. Nenhuma delas faz com que você se sinta completo e realizado. Seu desejo incontrolável por essas duas formas de vida torna impossível o alcance de um equilíbrio. Então, sua vida se torna uma tensão, você já não sabe mais quem é.

Você é uma pessoa independente, com o coração forte e a alma apaixonada. Nenhuma parte de si mesmo pode assumir o controle total, sua independência e sua necessidade de amor e emoções verdadeiras compõe a sua singularidade, elas o tornam único. Não é certo abrir mão dessas características.

Sem a sua força e as lágrimas, você é uma pessoa incompleta. Sem a dureza e os abraços deliberados, sua essência não é mais pura. Suas características opostas não são uma fraqueza.


Na verdade, você é incrivelmente forte. Você é uma combinação perfeita, não desista de si mesmo!

O mistério da má sorte:

Artigo Anterior

Razões pelas quais o filho do meio é incrível

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.