Pelos jardins da vida…

Pelos jardins da vida, eis que o beija-flor e a abelha cortejavam a mesma flor. A abelha conhecedora de sua importância diante da vida e acreditando se tratar de um impasse, abriu caminho à força e avisou:



– O que faz o senhor junto à minha flor?

O pássaro, por ter aprendido que as flores não são de ninguém, preferiu continuar admirando o espetáculo à sua frente e ignorou o embate que a abelha travava sozinha. A pequena zumbia, reclamava uma posse imaginária e desmantelava suas asas, na vã esperança de interromper o encantamento entre flor e pássaro.

Diante de tanto ruído, o jardim permaneceu quieto e intacto.

Assim, acreditando que mais nada lhe restava, a abelha resolveu infligir o ataque final. Se tivesse sucesso, ela poderia magoar o beija-flor e assim, a flor seria apenas dela. O que esqueceu em sua ira, é que a única certeza que seu ataque letal garante é a sua própria morte. No segundo seguinte em que seu ferrão atinge o alvo, ela deixa de existir. Na tentativa de matar, ela morre.

O golpe desferido pode matar o belo pássaro, pode feri-lo e espantá-lo, pode fazê-lo mais forte. A abelha pode exterminar a vida à sua volta ou pode mostrar o quanto a vida é perfeita em sua imperfeição. Ela pode tudo ou não pode nada.


Não há certezas aqui. Todos os acontecimentos futuros ao ataque estão no campo das possibilidades. Ela nunca saberá a consequência do seu ato, pois seu ataque é tão voraz que ela terá apenas uma única chance de fazê-lo.

As mesmas abelhas que polinizam e levam vida ao mundo, podem matar, se assim o desejarem. É claro, que em sua infinita e natural sabedoria, elas preferem amar e dar vida a tirá-las. Em sua defesa, podemos dizer que seu poderoso ferrão é usado apenas para se defender de algum ataque que julga iminente. O intuito não é causar sofrimento. Mas, apenas deixar de sofrer. Neste último ato, o medo subjuga o amor. E quando o amor se esvai, a abelha age estúpida e cruelmente.

Quantas vezes agimos como esta abelha na vida? Quantas vezes atacamos para chamar atenção? Quantas vezes ferimos para nos “curarmos”?

Ao agirmos assim, estamos tal qual a abelha deste conto, que ao ver e reconhecer o amor, ao invés de admirar e aplaudir, resolveu queixar-se e subjugar, como se por disseminar a vida tivesse a posse dela.


Ao voarmos pelos jardins da vida, vamos polinizar a vida e espalhar o amor, ao invés de nos entregarmos a julgamentos e queixas e gerarmos dor. 


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: mariusz_prusaczyk / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.