O SegredoReflexãoVida

Perdemos vida procurando a resposta dela mesma…

Perdemos vida procurando a resposta

“Ser calma é sentir a calmaria do teu próprio ser e acreditar que nada nem ninguém pode te tirar a tua paz…”



Eu que achei que era calma…

Eu que achei que era boa…

Eu que achei que o “feliz para sempre” existia…


Eu que achei que a culpa sempre era dos outros…

Eu que achei que a culpa sempre era minha…

Eu que achei que minha felicidade estava na mão do outro…

Eu que sempre achei tanta coisa…


Hoje enxergo que calma não é dizer amém para tudo e nunca ter boca para nada… Ser calma é sentir a calmaria do teu próprio ser e acreditar que nada nem ninguém pode te tirar a tua paz…

Vejo também que ser boazinha, não é dizer sempre sim, e fazer o que agrada aos outros… A bondade consiste em ser boa em primeiro lugar a ti mesmo… Atender as tuas próprias vontades… é dizer não quando essa for a sua vontade e dizer sim quando realmente for de coração…

E foram felizes para sempre… Essa é a maior ilusão que as estorinhas infantis contam e acabam nos condicionando a uma vida de espera por um final feliz, e assim deixamos de ser feliz hoje…

Culpar os outros pelos nossos fracassos é mais fácil do que assumirmos a nossa responsabilidade Dos resultados por nós obtidos… Jamais podemos esquecer que a responsabilidade é nossa!


E quanto aos resultados dos outros? A responsabilidade é única e exclusivamente deles! A culpa não é sua se algo deu errado na vida de outra pessoa, mesmo que esta seja da sua família…

A minha felicidade é minha, eu que a sinto, eu que a vivo, então por que a gente procura ela nas outras pessoas? Por que responsabilizamos os outros por ela?

Enfim, perdemos muito tempo tentando achar tudo, queremos achar as respostas para tudo e perdemos o mais importante, o hoje. Perdemos vida procurando a resposta dela mesma.

 


___

Bibiana Zaparolli (Blog da Bibi)

Desde muito cedo começou a escrever suas visões de vida e sobre situaçõesbibiana perfil

cotidianas. Com a formação acadêmica em Jornalismo, a escrita passou a estar mais


presente no seu dia-a-dia de forma profissional. Porém, falar sobre pessoas, e sentimentos que as comentem, de forma não jornalística, continuou fazendo parte do seu repertório.

Somente com o início dos estudos terapêuticos, pode escrever com mais propriedade e entendimento sobre as relações humanas.

A Jornalista Bibiana Zaparolli é Terapeuta Holística, formada pela Associação Brasileira de Estudos do Sentir.


Pequenas batalhas, grandes vitórias

Artigo Anterior

Por que eu deixei você?

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.