ColunistasRelacionamentos

Perdoa-me por me trair…

PERDOA ME POR ME TRAIR capa e dentro

Como diz o Psicólogo Içami Tiba “quem ama cuida”. Relacionamentos afetivos são contratos, renováveis a cada dia. Mas aquele juramento solene aos pés do altar, resume bem o que significa esse cuidado: na saúde e na doença, na alegria e na dor. Mais que cuidado, é necessário também parceria, cumplicidade e amor, que quase sempre é começo de tudo.



Hoje, compreendo que só o amor não é suficiente para alimentar uma relação por anos, ainda que o amor que tenha sido a nascente desse encontro, tenha sido avassalador como uma cachoeira, há momentos que essa água toda pode represar e não ir mais para nenhum lugar. Como poeta, mais que ninguém valorizo o poder das palavras, das declarações, poemas, bilhetes e juras de amor. Mas sem gestos, atitudes, cuidados, atenção e demonstrações de afeto, a palavra fica vazia, o som da fala sem eco e o coração sem escuta.

Mas a grande pergunta que fica é: como cuidar de quem amo? Como demonstrar meu amor? Romântica que sou, já defendi que a demonstração de amor deveria ser com flores, balões, poemas, surpresas e fogos de artifício.

A maturidade trouxe-me a certeza que a demonstração de amor e de cuidado na rotina pode ser a mais perene e significativa. Colocar a mesa do café, escolher as frutas da estação no mercado, preparar o cardápio cuidando com o colesterol, assistir aquele filme que não gosto, mas que só de estar ao lado já faço meu amor feliz, dividir o dia, contar piadas, rir do nada, levantar a tampa da privada – sem brigar, pendurar a toalha que estava molhada em cima da cama, afinal você é a mulher que ele ama, esquentar a sopa na espera do último que chega do trabalho, elogiar as qualidades, ressaltar as atitudes positivas, as físicas inclusive, trazer flores para casa mesmo que não seja o dia dos namorados, fazer o prato preferido dela, tá bom, você não sabe cozinhar, encomenda no melhor restaurante perto da sua casa, ela não vai acreditar!


Deixe um bilhete na geladeira, nem que seja desejando um bom dia, diga que sente saudades ao longo do dia, se do nada lembrar do seu amor por causa de um chocolate, do biscoito recheado preferido dele ou até mesmo da cerveja que ela gosta de beber com as amigas, pare compre e leve pra casa, na certa regará seu lar de alegria e escrevendo com gestos da rotina, a mais linda poesia.

Mas cada dia que passa, a pressa nos tira o olhar de nós mesmos, ainda mais de nossos parceiros, deixamos as frustrações e estresses do trabalho nos distanciarmos ainda mais do amor, quando na verdade ele é que pode ser nosso único salvador nesse caos que hoje vivemos. Vamos nos doando cada vez menos, cuidando cada vez menos, sendo cada vez menos parceiros, amando cada vez menos e nos tornando cada vez mais distantes fisicamente e o sexo se esvai e por mais que haja amor, tudo ao redor parece ruir.

E, um certo dia, alguém resolve trair. Não há como falar em traidor e traído. Prefiro falar em cuidador e descuidado. Quem cuidou ou descuidou mais, quem se sentiu mais solitário enquanto o parceiro faz uma festa em grupo numa rede social? Quem se tornou mal humorado afastando até mesmo o carinho e o cuidado? Há tantas perguntas e respostas infinitamente incertas.

Mas quem descuida e deixa de o amor nutrir, acabar por sentir culpa e pedir perdão por se trair.


Guarde o que é seu com carinho e assim, as coisas durarão o tempo que tiver que durar…

Artigo Anterior

Reconquiste seu eu!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.