ColunistasEspiritualidade

Perdoar é nos livrar da angústia de carregar uma energia ruim pela vida toda

perdoar 2

Esforcemo-nos para superar o acontecido, deixemos que a vida se encarregue do nosso prejudicador, pois ninguém pratica o mal sem receber de volta a mesma energia.



Fala-se muito em perdão, perdoar, esquecer o que fizeram de mal para nós, dar nova oportunidade a quem nos prejudicou, voltar a confiar em quem nos traiu a confiança, enfim são tantas as circunstâncias de ofensas, mas tudo enseja perdão!

Se formos nos basear no que nosso Irmão Maior disse e consta no Evangelho, devemos perdoar sempre, até porque Deus nos perdoa sempre. Mas o Criador, embora nos perdoe, possibilita nova oportunidade para que refaçamos nossas metas para uma nova vida, permitindo assim reencontrar quem magoamos e resgatar o mal praticado.

Sim, temos várias vidas pela frente e, certamente, o que não pudermos reparar nesta, teremos de fazê-lo numa próxima.


A importância do perdão está em nos liberarmos da angústia de carregar durante a vida toda uma energia ruim.

Normalmente, quem nos ofendeu ou nos causou mal não está nem avaliando isso, não calcula o estrago que nos fez ou à nossa família. Então, se ficarmos remoendo o passado, ficaremos parados no tempo e nos tornaremos uma pessoa amarga.

O mais fundamental disso tudo é que, em razão de a Lei Divina ser toda de justiça, vamos certamente nos reencontrar em outra vida para que possibilitemos àquela pessoa que nos prejudicou nesta proceda ao reparo necessário.

Ora, se conseguirmos a elevação mental de perdoar e esquecer o mal que nos foi praticado, ou se pelo menos ao nos lembrarmos dele não nos sintamos mais doloridos, nós nos desvincularemos do nosso ofensor e, certamente, ele terá de pagar o mal que nos fez, mas não precisará reencontrar conosco para efetuar o resgate.


Um reencontro com quem nos atingiu será sempre um entrave em nossa trajetória, pois a Espiritualidade Maior terá de acertar o tempo no futuro para processar-se esse reencontro e, além disso, não sabemos se, ao voltarmos a conviver com tal pessoa, vamos efetivamente caminhar num clima de paz, pois pode ser que ecloda a aversão e colocaremos fora a oportunidade de aparar as arestas.

Então, meus amigos, não corramos o risco de ser os causadores de um novo encontro com quem nos fez mal. Perdoemos e assim o liberamos do compromisso do reencontro. Esforcemo-nos para superar o acontecido, deixemos que a vida se encarregue do nosso prejudicador, pois ninguém pratica o mal sem receber de volta a mesma energia.

Está lá no Livro: “Quem com ferro fere com ferro será ferido.” É a lei do retorno do Pai!

Temos o livre-arbítrio para que tornemos nossa futura vida melhor do que a atual, seja no planeta que for. Então, para que complicar? Perdoemos, esqueçamos e sejamos mais felizes.


 

Direitos autorais da imagem de capa: Love that fills/Pexels.

A terapia pet: o amor incondicional aos humanos!

Artigo Anterior

Dia internacional da mulher: o que há para comemorar?

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.