publicidade

Perdoar faz bem à saúde mental!

Escutando tantas pessoas há anos, cada vez mais, me convenço que a culpa mal trabalhada leva não somente ao excesso de escrúpulos, mas acelera as doenças psicossomáticas.



Além disso, conduz a incapacidade humana de perdoar, que gera infelicidade e sabota a qualidade de vida.

Falar a respeito de perdão sempre tocou as emoções das pessoas. Em nossa sociedade líquida, a palavra perdão provoca reações diferentes: paz, alívio, ironia, apatia, entre outras emoções conflitantes. Para algumas pessoas falar desse tema é “chover no molhado”, fazer algo que não adianta que não dá resultado, insistir em algo que já está definido.

Mas perdoar não significa negar ou sufocar a raiva que o acontecimento provocou, mas livrar-se dela, e aprender com a situação, a fim de seguir a vida em frente.

No momento que apreendermos a perdoar, não representa que aceitamos as ofensas, porém, temos que lidar com as nossas emoções negativas para vivermos em paz e com saúde mental.

O perdão nos ensina a resolver as desavenças que muitas vezes se transformam em mágoas contra um familiar, amigo ou colega, gerando sofrimento que se mantém ao longo da vida, nos tirando a serenidade. Entretanto, para resolvermos isso, necessitamos estar integrados pela fé madura, pois na medida que o mal que cometemos ou dele fomos vítimas tiver um arrependimento verdadeiro, encontraremos a cura terapêutica do perdão.


Não é nada fácil perdoar aqueles que nos magoaram, uma vez que deixaram cicatrizes profundas. Por isso, o perdão é um processo gradual na perspectiva mental e espiritual com objetivo de cessar os ressentimentos contra alguém ou contra nós mesmos, resultantes de uma ofensa que recebemos, falhas que cometemos ou conflitos que vivenciamos.

O perdão nesse ponto de vista está de acordo com o “princípio de realidade”, que consiste em dar conta das exigências do mundo real e das consequências dos nossos próprios atos.

Dar o perdão ainda nos permite considerar uma série de elementos antagônicos:  entre nós e os outros, a vida individual e a vida coletiva, o prazer e o trabalho, a escassez e a saciedade, a espontaneidade e a dominação social, etc.

É ilustrativo lembrar que o conceito de perdão vem do latim “perdonare”, que significa “entregar”, “doar” e não corresponde a “perda de razão”. Essa expressão tem o mesmo significado na língua grega e latina, que não está vinculada historicamente apenas ao cristianismo e ao judaísmo, mas do mesmo modo em todas as religiões, por ser uma experiência primeva, que está presente em todas as dimensões da vida humana.


Em vista disso, é essencial dialogar sobre esse assunto com seu psicólogo ou psicanalista, que é uma pessoa de confiança, como forma de “desativar” os sofrimentos advindos da falta de perdão. Enfim, vamos perceber que perdoar faz bem a nossa saúde mental e espiritual.

________

 

Direitos autorais da imagem de capa: akz / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.