8min. de leitura

Pergunte a si mesmo e reflita: estou vivendo meu propósito?

Como sou terapeuta e espiritualista (acredito que a vida transcende a matéria), as pessoas frequentemente me procuram para perguntar como podem fazer para descobrir qual a sua verdadeira missão de vida ou como identificar se já a estão realizando.


A minha resposta é sempre a mesma: não pergunte a mim, eu não tenho tal resposta. Na verdade, não faça essa pergunta a nenhuma entidade externa, pois por mais sábia que ela lhe pareça, se a sabedoria realmente ali residir, certamente ela não lhe responderá. Aconselho que também não tente descobrir essa resposta através do raciocínio lógico, porque em casos como este, a mente pode ser extremamente traiçoeira e nos pregar peças, conduzindo-nos por crenças equivocadas. Crenças estas que nos fazem acreditar em certas limitações, como: “Você deve fazer…. Você tem que…, Você não pode… Você precisa de…” ou “Você não tem capacidade de, Isso não é para você, Você não é bom o suficiente, Isso é impossível”, entre uma série de condições que apenas o enfraquecem e  impedem-no de ousar e querer mais da vida.

Na verdade, a resposta para essa pergunta só pode ser encontrada em um único lugar; bem no íntimo do seu ser, aquele espaço interno que possui todas as respostas, mesmo que, muitas vezes, elas não existam exatamente em forma de palavras, e sim de sentimentos. Existe um sábio que habita dentro de cada um de nós, e ele nos fala através de uma linguagem abstrata e muitas vezes etérica. Porém, para acessar esse sábio e suas “respostas”, é preciso ter um nível de introspecção e conexão interna, no mínimo razoável, o que em nossa sociedade, não é muito incentivado e praticado.

Refletindo sobre isso, senti que seria interessante fazer algumas explanações sobre o assunto, a fim de que servissem como um guia aos buscadores existenciais.


Bom, em primeiro lugar, gostaria de falar sobre a diferença entre missão e propósito, pois, particularmente as concebo como coisas distintas.

A primeira me remete a algo pesado, como um fardo a ser carregado, delegado por alguém a um subordinado, e que, se este por alguma razão, não cumprir a tarefa, deve receber uma dolorosa punição. Já a segunda, me parece muito mais leve e genuína, algo mais natural e prazeroso. A palavra missão neste contexto, me traz um sentimento de vitimização e passividade, enquanto que propósito, dá-me uma sensação boa de desafios a serem superados e poder de realização; faz a minha alma vibrar!

O propósito é algo que nosso ser “escolhe” (em um nível antes da vivência na matéria) experienciar durante uma ou talvez mais existências. Na minha perspectiva, nós já nascemos com determinadas qualidades e predisposições, que podem ser desenvolvidas ou reprimidas ao longo da vida. Se você tem dúvidas sobre isso, convido-o a fechar os olhos por um momento e relembrar como você era quando criança e adolescente, pois, em geral, estas são as fases em que nossas qualidades essenciais estão mais em evidência.


Eu, por exemplo, sempre fui meio estranha (risos). Diferente da maioria das crianças e, posteriormente, dos adolescentes da minha idade, eu me sentia atraída por assuntos complexos e por coisas de um passado tão distante, que ninguém era capaz de compreender. Por outro lado, e em total paradoxo, eu falava de coisas de um futuro, que, na época, ainda não era visível para a maioria. Além disso, minha imaginação não tinha limites, eu literalmente vivia entre duas dimensões! E, para completar a esquisitice, sempre tive uma alta capacidade empática e um “dark side” tão profundo que me permitia mergulhar em regiões abissais da alma inimagináveis.

Diante desse meu intenso passado, posso afirmar, com a mais pura certeza, que hoje vivo meu propósito maior, porque graças as minhas características um tanto peculiares, consigo compreender as mais diversas dores, tormentos e belezas da alma humana. E, assim, posso servir como referência e também como farol, iluminando os caminhos daqueles me procuram, a fim de que não encalhem seus navios nas pedras e naveguem em direção aos seus reais propósitos. É como aquele velho ditado grego que diz que “médico ferido é aquele que cura”.

Acredito que seja possível termos vários propósitos em uma única existência, mas percebo também que sempre existe um que brilha mais, como um propósito regente maior.

Em outras palavras, poderia dizer que cada um possui sua própria “lenda pessoal”, como li, certa vez, em um livro; aquele que nos traz uma sensação única e inexplicável de paz e felicidade interna.

Mas, voltando ao para a “estrada de tijolos amarelos”, é possível saber se estamos vivendo nossos propósitos quando temos paixão pelo que fazemos, quando sentimos nas entranhas que aquilo nos faz bem e nos alimenta a alma, quando transcendemos o certo e o errado, estabelecido pela moral, e encontramos o amor da ética, quando todo o nosso corpo vibra de verdadeiro entusiasmo pelo que se faz.

Quantas vezes eu me já me ajoelhei após atender um cliente ou orientar um amigo e, em lágrimas, reverenciei a divindade interna e todo o Universo, por vivenciar meu maior propósito, num sentimento de gratidão e êxtase, que não poderia explicar-lhes em palavras…

O propósito de nossas vidas não é algo entendido de forma racional, ele é sentido pela alma. Portanto, mesmo que todas as pessoas ao seu redor achem que você enlouqueceu, mesmo que tudo pareça sem nexo ou insano, se você sente que deve fazer algo, simplesmente faça e siga o seu caminho, pois só você pode percorrê-lo.

Não deixe de viver seus sonhos para agradar os outros ou porque você acha que tem pendências e dívidas emocionais com alguém. Viva intensamente a sua verdade, siga seus instintos e sua intuição.

Mesmo quando tudo parecer estar perdido, não se preocupe, existe uma misteriosa força interna que nos impele a realizar nossos propósitos. Se seguir seu coração com temperança, encontrará o sábio que lhe guiará na jornada.

E, lá na frente, ao chegar no fim dessa experiência humana, verá que fez a vida valer a pena porque viveu e se realizou em seu propósito.

Lembre-se de que há uma parte dentro de nós que tudo vê e tudo sabe. Então, pergunte-se o quão verdadeiro você está sendo, refaça ou reafirme suas escolhas e Seja Feliz!

Com todo o meu atual e provável perene propósito,





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.