5min. de leitura

Permita-se! Você nasceu com infinitos potenciais!

Nascemos livres, plenos e cercados de infinitos potenciais!

Quando bebês, podemos tudo!


Sim! Podemos tudo, não apenas por sermos bebês, mas pelo fato de que naquela ocasião, não existiam limitações em nosso ser.

Estávamos conectados ao estado de infinitos potenciais e infinitas possibilidades.

Você entenderá muito sobre isso, caso assista a esta explicação:

Aquele estado de infinitos potenciais e infinitas possibilidades poderia ter se estendido por toda a nossa vida, não fosse as crenças limitantes e os paradigmas que foram implantados em nosso ser.


Nascemos sendo pura Luz e totalmente conectados com a nossa essência interior, porém, um dia nos disseram:

“É feio ser assim!”; “A sociedade não vê isso com bons olhos!”; “Isso não dá dinheiro!”; “Isso não é socialmente aceitável!”


E quem foi que nos disse isso? A escola, a TV, a família, a igreja, a cultura. Todos agindo com a melhor das intenções, tentando nos “proteger” do julgamento de uma sociedade impiedosa.

Assim, vivemos desde cedo, a repressão da nossa essência interior, por isso, desde cedo nos desconectamos daquilo que nascemos para ser e hoje em dia, a maioria não possui, sequer a vaga lembrança da sua missão nessa vida!

Fomos obrigados a colocar máscaras e a sustentar uma falsa identidade, um falso eu. É por isso que a humanidade vem passa por conflitos internos, com emoções totalmente desequilibradas, sendo cada vez mais comum os sintomas de medo, de desânimo, dor, depressão, estresse profundo, tristeza, falta de vontade de viver e tantos outros.

Se você está passando por este conflito existencial, se está passando por essa oscilação de emoções, você possui duas opções:

1. Continuar tentado se equilibrar nessa falsa identidade, suprimindo suas emoções com prazeres efêmeros (compras, gula, bebida, ou qualquer outra válvula de escape), seguindo até o final de sua vida nesse conflito de sentimentos e emoções.


2. Ou voltar para a sua essência, reconectar-se com o seu eu Interior, usar a Lei da Atração, da Vibração e tantas outras Leis Universais e ferramentas que o Universo dispõe ao seu favor, para encontrar a saída, retirar essa máscara do falso eu e conseguir se conectar com aquilo que você nasceu para ser.

Tenho certeza que a 2ª opção trará um resultado mais feliz, porém, apenas se você já estiver o suficientemente cansado de lidar com tamanha oscilação de vibração! É um caminho longo, mas que inevitavelmente o levará ao estado de infinitas possibilidades e infinitos potenciais.


E, para que você consiga dar o primeiro passo nesse processo de reencontro com você mesmo, deixo-lhe o seguinte passo a passo:

1. Pegue uma caneta e um papel, vá para um local sossegado, faça algumas respirações leves e bem profundas, silencie seus pensamentos.

2. Agora responda às seguintes perguntas:

a) O que você queria ser quando era criança?; b) O que você verdadeiramente ama fazer que, quando está fazendo, até perde a noção do tempo? (não precisa ser algo relacionado às “profissões comuns”, pense em algo que você faz com mestria e com paixão); c) No que você acredita? O que conduz o seu ser? Qual é sua filosofia de vida?; d) Qual a diferença que você deseja fazer no mundo e como o seu serviço poderia ajudar neste processo?; e) Quais eram seus principais sonhos, quando você era criança?

3. Após anotar as respostas, feche seus olhos, continue com as respirações e direcione-se a Deus, ao Grande Espírito, direcione-se Àquela Energia Maior que conduz os seus passos, afirmando: Eu estou plenamente aberto para me conectar com a minha essência interior, eu estou plenamente aberto e pronto para ser Quem eu nasci para ser!

4. Continue com as respirações até o seu coração sentir que deva parar! Fique atento aos próximos dias! Fique atento aos livros, as músicas, a conversas com amigos, enfim, a resposta chegará até você das mais diversas formas, você deve estar atento e aberto para permitir-se esta expansão!

Namastê!


Direitos autorais da imagem de capa: wall.alphacoders / 875705





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.