Pesquisadores explicam porque devemos enfrentar nossas emoções mais obscuras, se quisermos alcançar a verdadeira felicidade:

Quando você planeja um dia positivo e feliz para si mesmo, provavelmente, não passa pela sua mente analisar e enfrentar todas as emoções sombrias que carrega em seu ser.

No entanto, de acordo com pesquisadores, essa atitude é fundamental para nossa felicidade.



Normalmente, tendemos a evitar entrar em contato com emoções provindas de momentos obscuros da vida, quando vivemos fases tranquilas, mas nem sempre isso é possível.

Conheça a pesquisa que afirma que até enfrentarmos nossa escuridão interna, não poderemos ser realmente felizes:

Curar a escuridão interna é curar o organismo

Quando mantemos emoções tóxicas dentro de nosso ser, elas são manifestadas também em nossos corpos físicos, através de dores. O conhecimento de nossas emoções negativas ocultas nos permite o alívio e cura de condições como dores de cabeça, nas articulações, tensão muscular e outros sérios problemas de saúde causados pela repressão de emoções. Ao desenvolvemos maneiras de enfrentar nossas emoções negativas, somos capazes de liberar dores emocionais e físicas que mantemos em nossos corpos.


Aprender como lidar com as emoções obscuras

Enfrentar é agir mesmo em meio ao estresse. O controle das emoções é uma maneira de lidar com as emoções negativas. A regulação da emoção é diferente do enfrentamento, pois pode ser uma resposta involuntária ou uma prática intencional.


A pesquisa a qual nos referimos no início do artigo foi publicada na Australian Journal of Psychology, (Revista Australiana de Psicologia em tradução livre). O foco da pesquisa foi estudar como lidamos com nossas emoções obscuras e como administramos os sentimentos desagradáveis que, por vezes, sentimos. Em sua pesquisa, os estudiosos identificaram três habilidades de controle emocional que são úteis na administração de sentimentos obscuros. São elas: aceitação, distanciamento cognitivo e mudança cognitiva.

A aceitação tem a função de educar as pessoas para serem atentas e conscientes de seus sentimentos, sensações físicas e cognitivas. O distanciamento cognitivo é trabalhado através do método de mudança de perspectiva, imaginando-se como o narrador de sua história e interpretando os eventos de sua vida da mesma maneira. O componente de mudança cognitiva funciona através do estabelecimento de uma perspectiva trabalhada no amor-próprio e autocompaixão, com a pessoa imaginando que está contando seus pensamentos obscuros a um alguém atencioso e pronto para ajudar, que também tem a função de mantê-lo motivado ao se recordar de suas forças.


Aceitando as emoções sombrias

Pesquisadores da UC Berkeley fizeram um estudo com a hipótese “a aceitação de nossas emoções mais sombrias está ligada a uma maior saúde psicológica, porque a aceitação nos ajuda a evitar reagir a experiências mentais negativas”. Quando aceitamos nossos estados emocionais negativos, fica mais difícil classificá-los dessa maneira, simplesmente, nós  os aceitamos sem tentar encaixá-los no molde positivo ou negativo. O resultado da pesquisa mostrou que a aceitação das emoções obscuras diminui nossa associação negativa das emoções, o que leva a uma melhora psicológica.


Aqueles de nós que podem se considerar verdadeiramente felizes são os que têm a sabedoria de aceitar as próprias emoções e pensamentos, sem julgamento.

Reconhecer nossos padrões negativos de emoções é o primeiro passo para a aceitação habitual.

As emoções felizes não podem ser sentidas em todos os momentos da vida, são intercaladas com sentimentos inferiores, e ao entendermos que é normal essa variação, pois somos humanos, estamos na melhor maneira de enfrentá-las e alcançar a felicidade.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.